Compartilhe

Há muito tempo se estuda em como adicionar uma maior capacidade de armazenamento em espaços cada vez menores. Essa evolução entrega hoje as unidades Flash que ocupam muito menos espaço que os discos rígidos tradicionais, são mais leves e armazenam uma quantidade muito maior de dados.

Os avanços conquistados são significativos, mas os estudos nesse sentido são constantes. A prova disso é que a Microsoft realizou uma apresentação em conjunta com a Warner Bros. na conferência Ignite, onde fizeram uma demonstração da exibição do clássico filme Superman (1978) armazenado em uma peça de vidro de 75 x 75 x 2 mm.

 

 

Uma potencial revolução

 

 

Essa é uma conquista da Microsoft Research, que está trabalhando no vidro como meio de armazenamento de dados, como parte do projeto Silica. Esse estudo abriu a porta para novas soluções de armazenamento de alto desempenho para impulsionar principalmente a computação na nuvem.

Porém, não apenas para armazenamento na nuvem e computação corporativa o vidro pode ser utilizado como meio de armazenamento de dados. No caso do filme Superman, ele pode ser uma solução muito duradoura contra um grande quantidade de incidências como o passar do tempo, eliminando os inconvenientes atuais que estão presentes em mídias como discos rígidos, unidades Flash e discos óticos.

Podemos identificar esse capítulo (ou filme como queiram) como mais um grande passo na evolução dos formatos de armazenamento. Se antigamente todos tinham que se contentar com os disquetes e torcer para que os mesmos não apresentassem problemas (algo bem possível quando pensamos na sensibilidade desse formato de armazenamento), hoje estamos com soluções muito confiáveis, e no futuro podemos contar com materiais que podem prolongar a validade de armazenamento desses dados.

 

 

Mas tudo ainda é muito novo para dimensionar como essa tecnologia pode se tornar efetiva na nossa vida prática. Vamos observar e esperar onde que esses trabalhos de armazenamento de dados no vidro podem conduzir a Microsoft Research para uma solução a longo prazo. Pelo menos nesse momento, parece que essa tecnologia possui um potencial enorme. Pelo menos no papel.

Ou será que seria no vidro?

 

 

Via Microsoft


Compartilhe