A Microsoft anunciou oficialmente a aquisição do GitHub, por US$ 7.5 bilhões. É uma das operações mais caras da história da empresa de Redmond.

Para a Microsoft, o acordo “reforça nosso compromisso com a liberdade, abertura e inovação para os desenvolvedores”, e o GitHub manterá sua marca e operações independentes.

O GitHub se valorizou em US$ 2 bilhões nos últimos tempos, mas o seu custo de aquisição foi quase quatro vezes superior às estimativas. Para a Microsoft, só valeu menos que o LinkedIn (US$ 26.2 bilhões, em dezembro de 2016) e que o Skype (US$ 8.5 bilhões, em 2011).

A compra da GitHub ficou na frente da Nokia (US$ 7.2 bilhões, em 2013) e da aQuantive (US$ 6.3 bilhões, em 2007), fazendo parte do Top 5 do ranking de aquisições da Microsoft em sua história.

Vale lembrar que a Microsoft não modificou a forma do LinkedIn trabalhar depois da sua compra, e parece que o mesmo vai acontecer com o GitHub, se mantendo como uma plataforma aberta para desenvolvedores e indústrias.

 

 

Os desenvolvedores podem seguir utilizando “as linguagens de programação, ferramentas e sistemas operacionais de sua livre escolha para seus projetos, permitindo a implementação de seu código em qualquer sistema operacional, plataforma na nuvem e dispositivo”.

As mudanças na junta diretiva do GitHub já começaram. O atual CEO Chris Wanstrath, vai se transformar em um conselheiro técnico, e no seu lugar assume Nat Friedman (à direita de Satya Nadella na foto de topo do post), co-criador do Xamarin.

Resta saber se tudo fica mesmo igual no GitHub. Mas fato é que esse é um importante movimento da Microsoft para atrair os desenvolvedores para as suas soluções.

 

Via Bloomberg