No momento em que o mundo precisa de um smartphone com design inovador, apareceu o Meizu Zero, um dispositivo que não tinha buracos. Porém, agora sabemos que o telefone foi uma jogada de marketing da Meizu.

Jack Wong, CEO da Meizu, informou que a campanha de financiamento do “World’s First Holeless Phone” nada mais foi do que uma forma de publicidade para a empresa. Ele reforçou que o produto foi um projeto criado pelo seu time de marketing, e que o smartphone sem buracos não era um dispositivo feito para fabricação em grande escala.

É a desculpa perfeita para um produto que não alcançou a sua meta de financiamento de US$ 100.000 no IndieGogo. E agora, sabemos que o Meizu Zero jamais vai chegar à linha de produção, e por diversos motivos.

E é até bom que ele não seja produzido, pois seria um fracasso comercial tal e como foi na campanha de crowdfunding. Quem iria pagar em pleno 2019 o valor de 1.150 euros por um smartphone com o processador Snapdragon 845 de 2018?

Ao menos a Meizu devolveu o dinheiro para os poucos investidores que encontrou. Algo incomum, pois a maioria das campanhas de financiamento do InideGoGo contam com objetivos flexíveis, o que permite aos criadores ficar com o dinheiro investido, mesmo sem alcançar a meta final de financiamento.

Mas… quem sabe o Meizu Zero ainda pode encontrar o mercado. O produto apareceu em protótipo na Mobile World Congress 2019, mas não chamou muita atenção por estar inacabado e com vários problemas pendentes para resolver.

Resumindo: o Meizu Zero foi uma jogada de marketing da Meizu. Que não podemos dizer que não funcionou, uma vez que o dispositivo colocou vários entusiastas de tecnologia em alerta. Particularmente, eu gostaria que fosse verdade, pois ao menos era um novo formato de smartphone chegando ao mercado.

Mas quando eu preciso chamar o saudoso Padre Quevedo para ilustrar o teor da notícia, é sinal que temos mais problemas do que soluções.

 

Via The Verge