Vamos falar mais uma vez do Facebook, mas dessa vez não é um escândalo, e sim a tentativa de acabar com os escândalos. Normalmente quando Mark Zuckerberg fala, é porque alguma bomba explodiu para os lados da rede social, e o seu fundador não é conhecido por ter as habilidades sociais mais limadas do mundo, por mais irônico que isso pode parecer.

Porém, de forma muito estranha, tudo o que ele escreveu em um longo comunicado em sua rede social hoje (6) tem bastante senso comum. E consideramos isso estranho porque veio de Mark Zuckerberg.

Primeiro, Zuck anunciou que todos os aplicativos dependentes do Facebook (Messenger, Instagram, etc) serão encriptados. Ou seja, serão mais seguros… na teoria, já que nem a empresa sabe direito o que fazer com eles. Custa a acreditar que isso vai acontecer, já que a coleta de dados e a venda de publicidade com objetivos específicos é a pedra angular do seu negócio.

Outro anúncio importante é que o Facebook (que é sempre importante lembrar… é a maior rede social do mundo) está mudando completamente o seu foco. Hoje, o emissor distribui uma mensagem em massa para um grande grupo de pessoas. Mark Zuckerberg agora quer começar a implementar uma proposta muito mais fechada, onde as pessoas conversam em pequenas bolhas ou comunidades de pessoas, com um conteúdo que pode desaparecer com o passar do tempo.

 

 

Será que isso vai ajudar a acabar com as enormes sequências de respostas com as pessoas brigando sem argumentos e jamais chegando a um consenso? É possível, mas com certeza essas mesmas pessoas não ficarão muito felizes com essa mudança radical.

Vale a pena lembrar também que o Facebook possui outras ferramentas implementadas dentro de sua rede, como o Marketplace, onde as pessoas compram e vendem produtos, além dos grupos que em muitas vezes são utilizados para a mesma finalidade. E não está muito claro sobre o que vai acontecer com essas plataformas.

Tudo isso chega no contexto de uma longa crise de confiança que o Facebook sofre desde o amplamente comentado caso da Cambridge Analytica, onde mesmo sem perder muitos usuários ativos, as pessoas começaram a ver a rede social com outros olhos.

 

Via Facebook