Compartilhe

A linha de notebooks ThinkPad da Lenovo são muito famosas por causa do legado que possuem dentro do ambiente empresarial e corporativo. Tá, essa é uma linha que nasceu na IBM, mas os chineses estão fazendo um bom trabalho na hora de manter a fidelidade de design e proposta geral dos produtos.

Logo, vale a pena dar uma olhada (mesmo que discreta e de longe) dos novos notebooks Lenovo ThinkPad P14s e P15s, em uma linha de portáteis que combinam a portabilidade de um notebook tradicional e o desempenho de uma workstation, em produtos que tentam não pesar tanto nas costas (já no bolso, a história é bem diferente).

Os modelos estão prontos para os principais aplicativos empresariais com a certificação ISV, e recebem os processadores Intel Core de 10 geração, incluindo o potente chip vPro, que já virou uma tradição nessas estações de trabalho móveis. O que não é para menos, pois estamos falando de alguns dos notebooks mais potentes do mercado, e totalmente preparados para as tarefas profissionais.

 

 

 

Potência para levar em qualquer lugar

 

 

As novas workstations portáteis ThinkPad P14s e P15s da Lenovo são os sucessores espirituais dos modelos ThinkPad P43 e P53. A ideia aqui é oferecer um bom equilíbrio entre mobilidade e potência, algo que é bem difícil em produtos com as suas características. De qualquer forma, são notebooks pensados nas tarefas pensadas, pois podem executar de forma fluída e sem maiores dificuldades aplicativos de peso como AutoCAD, Revit ou SOLIDWORKS.

Como são portáteis pensados no trabalho bruto longe da tomada do escritório, encontrar uma bateria com autonomia de até 14 horas é algo realmente muito interessante, pois temos que pensar que os softwares mais pesados normalmente comprometem na autonomia final do produto. Se cumprir o que promete, será uma estação de trabalho que efetivamente atende as demandas de quem quer muita potência e um dia inteiro longe da tomada.

Os novos notebooks recebem os processadores Intel Core de décima geração, incluindo o Core i7-10810U, trabalhando com gráficos profissionais NVIDIA Quadro, WiFi 6, até 2 TB de armazenamento e suporte para Ubuntu e Red Hat Linux.

Então, veja só como a Lenovo foi bacana. Ofereceu suporte para distribuições Linux, pensando assim em programadores e profissionais com tarefas mais específicas (o mundo não vive apenas do Windows, e você já deveria ter entendido isso).

São portáteis com telas de 14 polegadas (P14s) e 15 polegadas (P15s), com telas UHD 4K com Dolby Vision HDR e X-Rite Pantone Factory Color Calibration, entregando assim uma cor mais autêntica e imagens mais nítidas. Isso pode parecer fútil para quem quer trabalhar com programação, mas pense nos profissionais de imagem que poderão utilizar o notebook como ferramenta de edição e pós-produção de imagem, e você tem boas chances de mudar de ideia.

 

 

 

Lenovo ThinkPad P14s e P15s: primeira opinião

 

Seria hipocrisia da minha parte se eu afirmasse que não sonho muito com notebooks com tais características. Por outro lado, não são exatamente os notebooks mais potentes do mercado. Mas são workstations de respeito.

Ainda faltam algumas informações mais detalhadas para descobrir que os modelos Lenovo ThinkPad P14s e P15s podem ser elegíveis a fazer parte da minha vida. E sem um preço anunciado para os modelos, fica difícil mensurar o quanto eles podem valer a pena na relação custo-benefício.

A impressão que tenho é que esses serão notebooks bem caros, para usuários bem específicos e públicos selecionados. Ou para quem tem muita grana para investir em um novo notebook para programar, jogar ou realizar streaming de vídeo com opiniões polêmicas sobre a vida, o mundo da tecnologia e outros assuntos com maior ou menor importância.


Compartilhe