IRC: 18 anos depois, e ele é um morto bem vivo | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia IRC: 18 anos depois, e ele é um morto bem vivo | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Internet | IRC: 18 anos depois, e ele é um morto bem vivo

IRC: 18 anos depois, e ele é um morto bem vivo

Compartilhe

Quem viveu ativamente a internet entre o final dos anos 90 e o começo dos anos 2000 sabe que o IRC (Internet Relay Chat) era o grande rei das comunicações de texto. O que surpreende é que quase 20 anos depois do seu ague, algumas salas de chat do IRC ainda estão vivas.

 

 

Os velhos e bons tempos

 

 

O IRC era um protocolo de comunicação de texto em tempo real entre dois ou mais usuários que, através de uma série de clientes, se conectavam a um determinado servidor. Aquela era a única forma de conversar em tempos de internet com modems de 56K. Tudo bem, haviam os chats do Terra e do Uol, mas para muitas pessoas até esses portais eram pesados. E o IRC funcionava bem inclusive com conexões precárias.

 

 

De volta para o futuro

 

Vários sites ainda contam com servidores IRC ativos, e a versão do cliente mais popular para Windows 10, o mIRC, pode ser encontrado aqui. A instalação é simples e rápida, e em menos de dois minutos você já está procurando servidores para estabelecer alguma conversa inteligente (ou não) pelo computador.

O mIRC foi muito popular por um motivo: ele permitia a execução de scripts que turbinavam a sua aparência, automatizava tarefas e executava pequenos aplicativos e jogos.

 

Três coisas chamam a atenção no IRC:

1. Você não precisa de registro para entrar em uma sala. Basta escolher um nickname e pronto. Podem sim bloquear um nick, mas basta escolher outro nome.

2. Muita gente está conectada na mesma sala, com milhares de usuários ativos e conversando.

3. Os veteranos podem não se lembrar mais dos comandos, mas o mIRC é visual e conta com menus e botões.

 

 

Os canais são precedidos de um #, tal e como usamos hoje as hashtags no Twitter, Instagram ou Facebook. Muitos canais são temáticos, e é possível encontrar novos amigos considerando a proximidade geográfica (grupos de cidades), times de futebol, horóscopo e outros critérios.

A tela principal exibe as mensagens dos demais usuários conectados no canal, e na parte inferior você pode escrever as suas mensagens. Na barra lateral, a lista dos usuários conectados naquele momento. Acima, os operadoras (ou moderadores) e abaixo, em ordem alfabética, os demais mortais. Basta clicar em um nick, e a conversa com aquela pessoa passa a ser privada. E o desejo de interagir com as pessoas é algo gritante.

Vale lembrar que Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone passaram muitas horas no IRC antes de criar o Twitter. Não é mera coincidência.

 

 

O morto vivo? Não!

 

O IRC tem mais de 30 anos de vida, o que é uma idade muito considerável na era da internet e de uma tecnologia que avança em uma velocidade vertiginosa. E não está nada mal de saúde. Basta você ter paciência e curiosidade em procurar comunidades e temas afins, onde as opções são as mais diversas. E sim… ele não estava morto. Só está meio esquecido.


Compartilhe