iPhone 11 Pro Max: pouca RAM, muito poder | TargetHD.net TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia
Press "Enter" to skip to content

iPhone 11 Pro Max: pouca RAM, muito poder

Compartilhe

Depois de uma semana inteira falando dos novos iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max, eu estou feliz em dizer para vocês que: ainda não acabou. Pelo contrário: estamos bem longe de terminar. Afinal de contas, é o tema hype do momento, e até o hype passar, vamos continuar a falar sobre ele.

De acordo com benchmarks vazados, o iPhone 11 Max Pro é muito mais poderoso do que aquilo que as suas especificações técnicas tentam mostrar. Na verdade, o usuário do iPhone de longa data já poderia presumir isso. Porém, nesse post, vamos informar o quão poderoso ele pode ser.

 

 

Um iPhone 11 Pro Max “superpoderoso”

 

 

Apesar de algumas fontes (nós, inclusive) afirmar que o iPhone 11 Pro Max conta com 6 GB de RAM, de acordo com os dados extraídos desse benchmark, ele possui 4 GB. Mas vamos deixar essa discussão de lado (pois se isso for verdade, vai pegar muito mal para a Apple entregar um iPhone top de linha e com um preço absurdo com apenas 4 GB de RAM).

Por outro lado, o iPhone 11 Pro Max pode ir além disso, para a sorte (ou competência) da Apple.

Os benchmarks vazados falam sobre uma capacidade de RAM pouco incomum para um smartphone Premium, ficando muito abaixo de um Galaxy S10+. Por outro lado, mesmo com essa “deficiência”, o iPhone mais caro da Apple ainda deve competir contra o Note 10+ e não com o Galaxy S10+.

Isso só está acontecendo por causa da facilidade histórica que a Apple tem em oferecer muito contando com muito pouco. O iPhone sempre teve pouca RAM, mas muita otimização e potência. Câmeras com poucos MP, mas entregando ótimas fotos.

A Apple sempre foi campeã na hora de administrar recursos dos seus dispositivos, e talvez se algumas outras empresas de tecnologia que oferecem equipamentos monstruosos nas especificações aprendam um pouco com isso. Quem sabe o próprio segmento de telefonia móvel estaria evoluindo de forma mais sustentável.

 

Via Geekbench


Compartilhe