Huawei Watch GT chega ao Brasil: smartwatch custa R$ 1.499

Compartilhe

A Huawei anuncia a chegada oficial ao Brasil do seu primeiro relógio esportivo, o Huawei Watch GT. O produto é centrado no usuário que quer monitorar a sua saúde e exercícios físicos em um dispositivo com autonomia de até 14 dias de uso.

O Huawei Watch GT trabalha com o sistema operacional LiteOS (da própria Huawei), e o relógio exibe as notificações recebidas de smartphones Android e iOS (iPhone), mas não permite a instalação de aplicativos de terceiros. A versão que será vendida no Brasil é a de 46 mm, e possui resistência contra água em até 5 atm. Sua tela AMOLED de 1.39 polegadas (454 x 454 pixels) é em formato circular.

 

 

Smartwatch com múltiplos modos de monitorização de atividades

 

 

O relógio possui moldura de cerâmica e recebimento em aço inoxidável. A pulseira emborrachada da versão Active do Huawei Watch GT pode ser substituída rapidamente, sem o uso de ferramenta adicional. Seu mostrador pode ser modificado através do aplicativo Huawei Health, que também é o responsável por quantificar e concentrar todos os seus dados relativos à saúde.

O Huawei Watch GT pode sugerir treinos de corrida em diferentes níveis, usa os sistemas de posicionamento de satélite GPS, GLONASS e Galileo, e o modo triatlo grava as atividades de natação, ciclismo e corrida, considerando as transições entre uma atividade e outra.

Você também pode consultar dados como previsão de tempo, conclusão de prova, VO2 máximo, gráficos de ritmo, cadência e batimentos cardíacos, entre outros dados.

A tecnologia TruSleep 2.0 identifica problemas relacionados ao sono, fornecendo sugestões para ajudar o usuário a dormir melhor, além de identificar quanto tempo o usuário ficou em cada fase de sono, atribuindo uma pontuação para a sua noite.

 

 

O Huawei Watch GT chega ao Brasil na versão Active (com pulseira na cor verde), com preço sugerido de R$ 1.499 nos quiosques da Huawei e lojas online de algumas das principais empresas de e-commerce nacionais.

 

Via Tecnoblog


Compartilhe