huawei

Uma das características mais criticadas no Galaxy S8 e Galaxy S8 Plus foi o leitor de digitais localizado na parte inferior traseira, ao lado da câmera. Isso complicou o acesso ao recurso, além de resultar em contatos involuntários no sensor de câmera.

O Note 8, com maiores dimensões, repetiu a estratégia, complicando ainda mais a vida do usuário. Ainda mais quando o mesmo decide usar o leitor como método de desbloqueio por padrão.

Tal localização nunca deveria ser aceitável, e foi uma decisão pobre para um smartphone tão caro.

Na verdade, existe solução melhor. A mais óbvia era posicionar o leitor na parte traseira, mas centrado e abaixo da câmera. É o caso do novo Mate 10 Pro. E, mesmo assim, o Mate 10 ainda conta com o leitor de digitais na parte frontal, mesmo com uma tela full frontal, com bordas finas.

Como a Huawei consegue isso, e a Samsung, não?

Provavelmente porque a Huawei pensou mais no usuário do que a Samsung. O resultado é um dispositivo com tela com dimensões razoáveis, bordas laterais mínimas e muito cômodo para desbloquear.

O leitor de digitais está sim destinado a desaparecer, mas isso não dá o direito aos fabricantes em adotar localizações complicadas para o recurso. Se pelo design não é possível implementá-lo na parte frontal, e se você não tem um sistema de desbloqueio rápido e confiável para substituir o leitor de digitais, o Huawei Mate 10 e Mate 10 Pro são as opções mais acertadas.