Hackear carros conectados está ficando cada vez mais comum | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Hackear carros conectados está ficando cada vez mais comum | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Carros | Hackear carros conectados está ficando cada vez mais comum

Hackear carros conectados está ficando cada vez mais comum

Compartilhe

As novas tecnologias são cada vez mais comuns nos carros, e não estou falando dos carros elétricos. Falo também de condução autônoma, assistência na estrada e detalhes como abrir o carro como o smartphone ou substituir os retrovisores por câmeras. Mas o problema dessa evolução toda é que os carros estão cada vez mais suscetíveis aos ataques cibernéticos.

Em um recente estudo do The Upstream, foi revelado como os ataques cibernéticos aos automóveis estão aumentando. De 15 incidentes detectados no primeiro trimestre de 2018, foram registrados 51 casos durante o primeiro trimestre de 2019.

 

 

Carros sem chaves e sem segurança boa o suficiente

O aumento é similar ao registrado em outras áreas da cibersegurança. Mas aqui é preciso levar em consideração que nem todos os ataques são maliciosos: 28% dos registros envolvem investigações ou ataques para descobrir vulnerabilidades que podem ser corrigidas em um momento posterior. No mesmo período em 2018, por outro lado, essa porcentagem era 50-50.

A maioria dos ataques acontecem em carros que abrem sem a chave (47%). Em regra, esses sistemas são débeis, e podem ser superados com dispositivos universais. A Kia tem uma solução tão simples como eficiente para evitar a cópia das chaves sem fio: um case.

Outro ponto vulnerável está nos servidores onde ficam armazenados as informações do veículo em questão (17%). Isso é algo especialmente perigoso, se levarmos em consideração que, a partir de um servidor, podem enviar comandos para um caro em movimento, assumindo o controle do veículo por completo e transformando o motorista em um refém de algum maluco.

Todos estes ataques tem objetivos diferentes, mas o principal é, obviamente, roubar o carro (40%). Também buscam interromper um serviço ativo no veículo ou manipular o carro em movimento.

Os ataques aos carros conectados, ao contar normalmente com todo um modelo de tecnologia, é mais fácil de serem realizado em massa. Para não dizer que atualizar um carro não é algo simples e rápido como fazemos em um computador ou smartphone. Alguns stickers no asfalto são suficientes para enganar um Tesla, por exemplo.

E, acredite… isso pode ser bem perigoso.

 

Via The Upstream


Compartilhe