Compartilhe

Antes mesmo do anúncio oficial, essa pergunta já era feita entre os meus colegas blogueiros e entusiastas de tecnologia nas redes sociais. A Google Stadia foi apresentado na Game Developer Conference 2019, e promete a entrega de jogos via streaming em 4K a 60 FPS, sem a necessidade de contar com um dispositivo dedicado ou download de jogos.

Sim. O Google quer entregar ao mundo a Netflix dos videogames com a Stadia, que é uma plataforma, e não um console. O único hardware que você precisa ter para usar essa plataforma é o controle especial desenvolvido pelo Google.

Por isso, a pergunta é inevitável…

 

 

 

Google Stadia vai matar os consoles de videogame?

 

Vou deixar nesse post a minha opinião. Com um certo exercício de futurologia, é verdade. Mas com boa dose de chutes baseados em tudo o que eu observei nos últimos anos no mercado de videogames.

Todo mundo sabe que Microsoft, Sony e Nintendo (as três grandes líderes do setor) buscam formas de manter o videogame algo rentável e, ao mesmo tempo, combatendo a pirataria com soluções que são lucrativas para as empresas e desenvolvedores, mas com preços justos para os gamers. Uma equação que, convenhamos, é bem complicada de se alcançar.

Os principais fabricantes trabalham como podem nesse sentido. A Microsoft com o seu Xbox Game Pass, o Games with Gold que já dura anos, e com a sua futura plataforma de streaming. A Sony e a Nintendo também buscam propostas similares. E, em comum, todas elas flertam com o streaming para o futuro, e com os downloads digitais de games no presente.

Ou seja, uma coisa já parece estar mais do que definida: no futuro, os jogos em mídia física vão desaparecer.

E não será um futuro a longo prazo. A próxima versão do Xbox já devem chegar sem a unidade de mídia física, contando apenas com o download de jogos como alternativa. Os principais players do mercado devem fazer o mesmo nas futuras versões dos seus consoles.

Também é sabido que os desenvolvedores estão lucrando muito nas plataformas móveis, que também dispensam o uso de mídia física e oferecem preços mais competitivos para os jogadores.

 

 

Agora, se o Google Stadia consegue gerenciar bem o melhor de todos os mundos, o futuro dos consoles está sim ameaçado. Mas até chegar lá, essa nova plataforma precisa superar os seus concorrentes diretos nesse primeiro momento: Steam e Twitch.

Com tudo o que o Google apresentou na GDC 2019, as duas plataformas são as concorrentes diretas da nova Stadia. E acho que ambas realmente precisam se preocupar. Não só porque estamos falando do Google, mas principalmente pelas características desse novo serviço.

O streaming de games em 4K a 60 FPS, com a possibilidade de compartilhamento de conteúdos para plataformas como o YouTube, acesso rápido aos jogos, baixa latência, elevada performance e grandes títulos. Tudo isso conta muito a favor da Stadia nesse primeiro momento, e suplantam todas as vantagens que Twitch e Steam oferecem hoje.

Superando esses dois, aí sem quem sabe a Stadia aposenta os consoles.

Acho difícil o videogame doméstico morrer a curto prazo, mas precisa se reinventar com urgência para sobreviver. Aliás, eu acho mais fácil o console doméstico desaparecer e os PCs gaming permanecerem no mercado, por motivos que não passam necessariamente pelo Stadia. O computador para games é atualizável, algo que os consoles sempre resistiram em ser. E poder ajustar o hardware às necessidades dos novos jogos faz toda a diferença entre escolher um computador e um videogame.

Logo, a resposta para a pergunta do título desse post é: NÃO… por enquanto…

Ainda quero ver o que a Google Stadia pode entregar na prática. Quero ver essa Netflix dos games vingar de verdade. Por enquanto, não há motivos para Microsoft, Sony ou Nintendo encerrarem as suas respectivas trajetórias no mercado de consoles. Mas é fato que esse é um claro sinal de alerta que o futuro pode ser bem diferente, e que a hora de mudar os conceitos de seus produtos chegou.


Compartilhe