O Google Pixel 3 XL passou recentemente pelo tradicional teste de tortura do JerryRigEverything, mostrando o quão resistente ele é para aguentar os desafios do dia a dia.

É um dispositivo majoritariamente construído em metal, mas também conta com uma pequena porção traseira de vidro. Isso faz com que o dispositivo receba a tecnologia de recarga de bateria sem fio. Por outro lado, temos um telefone naturalmente um pouco mais frágil aos acidentes.

A crescente popularidade desse tipo de teste é, muito em partes, por causa da calma que Zack realiza esses testes. Sem falar na sua narração cativante e as metodologias dos testes.

São testes que dificilmente os usuários fariam com os seus caros dispositivos, o que deixa ainda mais relevante o canal do JerryRigEverything. Alguns dos testes avaliam a resistência da tela, o quando ele aguenta no teste de dobra e a sua resistência à aplicação da força. O teste de chama também avalia o comportamento da tela diante do calor.

Na prática, o Google Pixel 3 XL vai riscar mais facilmente do que um smartphone completamente construído em vidro. Por outro lado, apesar de riscar, o metal dificilmente quebra da mesma forma que o vidro.

O dispositivo é majoritariamente construído em alumínio, material com durabilidade 3 na escala de Mohs, com um tratamento aplicado a este metal (anodizado).

Por causa dessa camada, temos uma saudável robustez de dispositivos, sem apresentar pontos de dobra quando exercida uma forte pressão. Mesmo assim, o dispositivo vai riscar com maior facilidade do que a mais recente versão do vidro Corning Gorilla Glass.

Ou seja, o Google Pixel 3 XL será um dispositivo resistente, de um modo geral, mas o seu vidro tende a ser mais frágil que aquele encontrado em outros dispositivos. Se o usuário tiver consciência desses detalhes, pode se dar bem com um telefone que se preza pelo Android 9.0 Pie e câmeras espetaculares.

A seguir, o vídeo com o teste na íntegra. Não recomendado para as almas mais sensíveis.