Compartilhe

Wearables ou gagdets vestíveis são produtos de tecnologia que você usa no seu corpo. Pulseiras inteligentes, relógios inteligentes, camisetas e calçados inteligentes, entre outros. Porém, esse conceito pode ser ainda mais amplo. Ou pelo menos é para o pessoal da IDC, pois ele considera os fones de ouvido sem fio um gadget vestível. O que é uma coisa boa, pois graças à ele, o segmento registrou um aumento global de 94,6% em relação ao mesmo período em 2018.

O sinal claro que esse segmento está em evidência e com relevância foi o aumento de buscas no TargetHD.net nos posts que falam sobre os fones de ouvido sem fio. Também estamos considerando a forte audiência dos posts relacionados aos smartwatches e smartbands ao longo de 2019, o que reforça o interesse do brasileiro por esses produtos (uma vez que o brasileiro médio entendeu como esses dispositivos podem ser úteis para o dia a dia).

Porém, fica a pergunta…

 

 

Você veste um fone de ouvido sem fio?

 

 

Para a IDC, os Hearbles são considerados gadgets vestíveis e, nesse sentido, os fones de ouvido sem fio entra nessa categoria. A remoção do conector de áudio de 3.5 mm pelos fabricantes, a inclusão de novos recursos para melhorar a experiência de áudio e produtos com preços muito mais competitivos resultam nesse crescimento expressivo do mercado de fones de ouvido sem fio.

Agora, respondendo a pergunta de subtítulo desse artigo… sim, podemos considerar que os fones de ouvido sem fio são gadgets vestíveis. Bom, não exatamente no mesmo sentido que vestir uma camiseta ou calçar luvas e tênis. Entendo que encaixar o fone no canal auditivo é uma espécie de “vestir” o item, pois ele se encaixa da mesma forma que um calçado faria no seu pé ou uma luva na sua mão.

Bom, é preciso ter um pouco de imaginação para aceitar esse conceito, mas tal pensamento não é uma ideia tão absurda, certo?

 

 

Apple segue liderando o mercado de wearables

 

 

Apesar de ter produtos mais caros que a concorrência, a Apple segue liderando o segmento de wearables ao redor do mundo, com o Apple Watch e o AirPods. Já a Xiaomi vende mais, mas perdeu espaço no mercado, ficando na segunda posição. A Mi Band é o carro chefe da empresa, vendendo oito de cada dez wearables da marca.

A Samsung se beneficiou do sucesso dos Galaxy Buds, posicionando a empresa na terceira posição global e ajudando nas vendas do Galaxy S10 e do Galaxy Watch Active. O Top 5 global de wearables é completado pela Huawei, que cresceu espetaculares 202,6% em um ano (e isso, com as sanções dos Estados Unidos) e pela Fitbit, que estagnou em relação ao ano passado, mas pode ter uma sobrevida nas mãos do Google, que comprou a empresa em 2019 por US$ 2.1 bilhões.

 

 

Top 5 mercado de wearables no mundo (terceiro trimestre de 2019)

Apple: 35% (29,5 milhões de unidades)
Xiaomi: 14,6% (12,4 milhões)
Samsung: 9,8% (8,3 milhões)
Huawei: 8,4% (7,1 milhões)
Fitbit: 4,1% (3,5 milhões)
O resto: 28,1% (23,8 milhões)

 

 

O aumento das vendas de wearables, por categorias de produto

Vestíveis de áudio: 48,1% (40,7 milhões de unidades)
Pulseiras inteligentes: 22,7% (19,2 milhões)
Relógios inteligentes: 20,9% (17,6 milhões)
Outros: 8,4% (7,1 milhões)

 

Via IDC


Compartilhe