Compartilhe

Para quem viaja com muita frequência para os principais países vizinhos do continente, esta notícia é simplesmente excelente.

Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai assinaram o acordo comercial que acaba com a cobrança das tarifas de roaming internacional dentro do Mercosul. A negociação pode reduzir de forma significativa o custo das comunicações no exterior para o consumidor final brasileiro. No Brasil, os custos de consumo de dados nos países citados pode chegar a R$ 33 por megabyte trafegado, dependendo da operadora escolhida.

 

 

O que é o roaming internacional?

 

 

A cobrança do roaming internacional acontece quando o cliente utiliza o seu plano de telefonia móvel e celular fora do seu país de origem. Nesse caso, o aparelho precisa se conectar à rede de uma operadora do país que você está visitando que é parceira da sua operadora de origem. Os acordos entre essas empresas de telefonia encarecem o serviço ao redor do mundo, já que é necessária toda uma estrutura para tudo funcionar. Para o consumidor final, sempre é mais fácil optar pela compra de um chip de uma operadora do país que você está visitando e pagar bem menos para utilizar a internet durante a viagem.

A decisão tomada no Mercosul acompanha aquela tomada pela União Europeia, que aboliu as tarifas de roaming em 2017. O acordo já previa uma cooperação para fornecer serviços de roaming mais transparentes para o consumidor, com tarifas mais razoáveis que as atuais.

Não há um prazo para o fim do roaming internacional começar a valer dentro do Mercosul, já que o acordo precisa ser votado e legislado pelo Congresso Nacional. Lembrando que o Brasil já fechou o acordo de fim de roaming com o Chile de forma separada.

O acordo facilita a vida da operadora Claro, que possui operadoras em todos os países do Mercosul, e já oferece roaming internacional sem custos adicionais nas Américas para os clientes dos planos pós-pago. A Telefónica (Vivo) tem operações na Argentina e no Uruguai. TImM e Oi vão depender de acordos com as operadoras presentes nos demais países.

 

Via G1


Compartilhe