O Facebook Watch finalmente foi liberado em escala global. Agora, você pode descobrir e assistir novos vídeos na rede social em uma área dedicada, interagindo com amigos, produtores de conteúdo e outros fãs.

O Facebook Watch foi lançado em 2017 nos EUA, e é basicamente o YouTube do Facebook, mas com um viés cada vez mais social, onde podemos ver com muito mais facilidade os vídeos que os amigos curtiram e compartilharam e maior integração com as páginas da plataforma.

As atualizações ajudaram aos usuários a descobrir e interagir cada vez mais com os vídeos que gostam. Todos os meses, mais de 50 milhões de pessoas nos EUA assistem pelo menos um minuto de vídeos no Watch, e o tempo total gasto nessa atividade aumentou em 14 vezes desde o início de 2018.

 

 

Se você prestar atenção, a quantidade de vídeos publicados no Facebook aumentou consideravelmente nos últimos meses. É evidente que a rede social de Mark Zuckerberg quer aumentar o volume desse formato de mídia, por diversos motivos.

Para começar, Zuck quer aumentar ainda mais o tempo em que ficamos na rede social (apesar das iniciativas em alertar sobre o excessivo tempo em que ficamos nas suas plataformas), pois é justamente isso o que o Facebook pode vender para os anunciantes.

Depois, os vídeos são hoje a principal forma de divulgação de qualquer tipo de conteúdo nas redes sociais. O YouTube não é líder por acaso. E o Facebook quer a sua fatia dessa clientela e dos anunciantes que podem investir na rede social.

 

 

Logo, não é nenhum absurdo dizer que o Facebook Watch tem mais chances de se tornar um sério concorrente do YouTube do que o IGTV do Instagram que, até o presente momento, não vingou.

O tempo vai dizer se tudo vai dar certo como imaginado. Mas pelo esboço dos últimos meses, o Facebook Watch pode fazer um bom barulho.