E muitos em coro cantam: “eu, eu, eu… o Facebook se f@d#*…”

O Facebook reservou US$ 3 bilhões para pagar a multa sobre o escândalo da Cambrige Analytica e os demais escândalos de privacidade (que não são poucos). Mas vai ter que colocar a mão no bolso ainda mais. O The Wall Street Journal publicou uma matéria onde teve acesso ao resultado da votação que determinou que a rede social de Mark Zuckerberg terá que pagar US$ 5 bilhões de multa por não proteger os dados dos seus usuários.

Mark Zuckerberg chegou a um acordo com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FCC), onde o Facebook paga essa multa histórica, enquanto que a FCC aplica novos controles para conhecer as ações da rede social para evitar que isso volte a acontecer, mas não foram revelados detalhes sobre esse último aspecto.

 

 

A maior multa da história dos Estados Unidos para uma empresa de tecnologia

 

 

Se confirmado um acordo, temos aqui uma postura mais agressiva das autoridades norte-americanas, aplicando a maior muita da história para uma gigante de tecnologia. Antes disso, o Google teve que pagar US$ 22.5 milhões em 2012 pelos mesmos motivos: práticas ruins de privacidade. Três senadores republicanos foram a favor da multa, e dois senadores democratas votaram contra.

Agora, o resultado passa pelo Departamento de Justiça, que precisa ratificar a votação. E poucas vezes um acordo na FCC é rechaçado. Logo, a multa deve sair, e o Facebook deverá pagá-la nos próximos dias.

Além da multa, o Facebook teria aceito uma supervisão mais próxima de suas práticas dentro do gerenciamento de dados dos usuários, mas sem restrições sobre como essas informações são compiladas e compartilhadas.

A multa histórica pode servir de exemplo de como serão mas duras as ações regulatórias do governo Donald Trump. Um sinal de alerta para a indústria como um todo e uma forma de adotar (em partes) o que a União Europeia faz em casos desse tipo, onde as empresas normalmente são severamente castigadas.

O mais bizarro de tudo isso? Mesmo com a notícia, as ações do Facebook dispararam para quase US$ 206, o preço mais alto alcançado nos últimos 12 meses.

 

 

Via The Wall Street Journal, New York Times e Washington Post