Faltando poucas horas para o início das eleições legislativas (de meio mandato) nos Estados Unidos, o Facebook emitiu um comunicado onde garante ter bloqueado centenas de contas consideradas suspeitas.

A rede social tomou essa decisão depois que autoridades informaram que tais contas poderiam estar vinculadas com entidades no exterior.

“No domingo à noite, agentes dos EUA nos contactaram sobre atividades online que descobriram que acreditavam que poderiam estar conectadas com entidades estrangeiras.”

Foram bloqueadas 30 perfis no Facebook e 85 no Instagram, após comprovarem que tais contas tinham um “comportamento coordenado e indevido”.

O comunicado foi assinado por Nathaniel Gleicher, responsável pela segurança do Facebook, que quer evitar a todo o custo que volte a acontecer os mesmos incidentes das últimas eleições nos EUA (com o escândalo da Cambrige Analytica):

“Como parte dos nossos esforços para evitar tais interferências no Facebook durante as eleições, estamos em constante contato com as forças de ordem, especialistas externos e outras empresas de todo o mundo.”

Gleicher garante que “quase todas” as contas do Facebook bloqueadas publicavam conteúdo em russo e francês. Sobre as 85 contas do Instagram desativadas, a rede social afirma que a maioria delas publicavam sobre famosos e política em inglês.

“Como estamos a apenas um dia de importantes eleições nos Estados Unidos, queremos informar as pessoas sobre a decisão que tomamos e os fatos que conhecemos hoje.”

 

Facebook retirou um anúncio racista de Trump

Além disso, o Facebook seguiu os passos da CNN, NBC e Fox, decidindo não exibir uma polêmica campanha do Partido Republicano onde relaciona os imigrantes da caravana procedente da América Central como um criminoso (Luis Bracamontes) condenado em 2014 por matar dois policiais.

Donald Trump publicou o vídeo em sua conta no Twitter na semana passada. O material garante que “os democratas permitiram que ele (Luis Bracamontes) entrasse no país”. Além disso, o vídeo aponta que “criminosos ilegais como o assassino de policiais Luis Bracamontes não dão a mínima para as nossas leis”.

 

Via Facebook