smartphones

Vários estudos apontam nesse sentido, e apontam mesmo o Facebook como o grande responsável. A feed nos dá ofertas infinitas de artigos, fofocas, publicações de amigos, desabafos birutas de conhecidos, promoções de empresas, e muitos links patrocinados. As pessoas passam horas olhando o celular e já não é raro observar grupos de amigos e famílias, sentados à mesa, com todos em silêncio olhando seus celulares.

Os quadrinhos do Dilbert, do famoso cartunista americano Scott Adams, já falam de um produto tecnológico que transforma seus usuários em zombies, através dos aplicativos que dominam seus cérebros, em uma clara referência a este fenômeno. Estaremos usando demasiado nossos smartphones?

 

Facebook recebe críticas

As críticas mais sérias apontam para problemas de isolamento social e até de saúde mental, pois muitas vezes as pessoas não param de receber estímulos negativos e pessimistas. Mark Zuckerberg já veio reconhecer o problema, numa notável admissão da empresa americana, declarando que o uso excessivo de seu aplicativo pode ser negativo para sua saúde.

É claro que o smartphone não serve para passar tempo nas mídias sociais. Nós usamos o equipamento para tudo. Pode ser para ouvir música, através de aplicativos dedicados ou simplesmente através de uma playlist no YouTube. Pode ser também para ouvir rádio, através de aplicativos como o Tune.in – para muitas pessoas o smartphone permitiu descobrir novamente o prazer de ouvir rádio. Pode servir também para jogar no casino online, pois são cada vez mais as plataformas de casino que, além do URL do site, têm também um aplicativo pronto a baixar para o celular.

 

O que fazer?

A resposta mais simples é mesmo usar menos o smartphone, ou simplesmente não usar o Facebook. Uma resposta um pouco mais elaborada passa por evitar aquele fenômeno de ficar vendo o feed tempo sem fim. Estabeleça um limite de tempo para ver as últimas novidades e assegure-se que não ultrapassa esse tempo. Se continuar ultrapassando, então o problema será mais grave e você precisará mesmo pensar em passar uma temporada sem utilizar.

Essa pode ser outra ideia. Experimente ficar um mês sem utilizar o Facebook. Informe seus amigos que está disponível por meios “tradicionais”, como a chamada telefônica, o SMS ou mesmo o WhatsApp. (Cuidado com os grupos do WhatsApp que só lhe mandam fofocas, vídeos e memes sem fim! Funciona do mesmo jeito que o Facebook.)

E quanto a seus blogs preferidos, como esse aqui, lembre-se que tem outros meios de acessar, como o tradicional Feedburner. Você lembra que quando era você a controlar seu feed, em vez de ser o algoritmo do Facebook? Aproveite para relembrar essa experiência positiva. Além disso, verá menos comentários de outros usuários, que muitas vezes são aquilo que tira a gente do sério e nos deixa tempo sem fim olhando o ecrã.