Wetten.com Brasil Apostas
Home » TV Por Assinatura » Estão querendo matar a TV por assinatura via mini-parabólica?

Estão querendo matar a TV por assinatura via mini-parabólica?

Compartilhe

Nas últimas semanas, o mercado de TV por assinatura no Brasil testemunhou um movimento estranho (para dizer o mínimo). Algumas operadoras que oferecem o serviço pela modalidade DTH (Direct To Home) decidiram inflacionar os valores da taxa de adesão dos seus serviços, e é preciso explicar para o amigo leitor (que pode vir a ser um consumidor de uma dessas operadoras) o que está acontecendo.

 

 

O que as operadoras querem?

O serviço de TV por assinatura via DTH ou mini-parabólicas era uma alternativa para várias regiões do Brasil que não contavam com a estrutura de TV a cabo. O sinal via satélite tem um alcance muito maior, e o equipamento de antena + decodificador também é mais barato para o cliente.

Por outro lado, o serviço DTH não resulta em lucros maiores para as operadoras. Quando o cliente sai da operadora, os equipamentos são basicamente descartados, e manter um satélite ativo (ou usufruir dos seus benefícios alugando a sua estrutura) custa caro.

Hoje, basicamente todas as grandes operadoras brasileiras já estão consolidadas no sistema de TV por cabo, com enormes investimentos nas redes de fibra ótica. Essa estrutura resulta em planos mais caros para o assinante e maiores chances de fidelização do cliente, já que a operadora pode oferecer os combos de TV, internet e telefone (em alguns casos, telefone celular também).

Por isso, o grande sonho das operadoras de TV por assinatura é que você abandone a mini-parabólica e vá para o serviço por cabo ou fibra ótica. Assim, eles pagam o investimento feito em infraestrutura e segura você em um combo. Caso contrário, as operadoras só recebem o dinheiro de um único serviço (TV por assinatura), reduzindo a sua margem de lucro.

Bom, agora que eu expliquei o que as operadoras de TV por assinatura querem, vou explicar o que elas estão fazendo para alcançar tais objetivos.

 

 

É o fim da mini-parabólica no Brasil?

Nas últimas semanas, Claro TV e Oi TV decidiram “do nada” inflacionar as suas respectivas taxas de adesão para os serviços de mini-parabólica.

Primeiro, foi a Claro TV. O valor da taxa de adesão do serviço de mini-parabólica custa agora R$ 350. Se bem que, nesse caso, a operadora deixa ainda mais claro que quer acabar com o DTH pós-pago, suspendendo as vendas de novos contratos e com o já citado aumento de taxa de adesão.

Ao que tudo indica, em um futuro a médio prazo, a Claro TV terá no DTH apenas a opção do pré-pago, que tem melhor relação custo-benefício para eles e, de certo modo, para os clientes, que vão pagar aquilo que entendem ser justo.

Já a Oi TV chutou o balde, colocando uma taxa de adesão de absurdos R$ 600. Aqui, ou a operadora não quer mais comercializar as mini-parabólicas, ou bateu mesmo o desespero pela recuperação financeira. E nem podemos dizer que a ideia de matar o DTH aqui não se faz presente, pois a operadora não cobra taxa de adesão para quem assinar o serviço de fibra ótica da operadora, que conta com IPTV integrado.

Como podem perceber, algumas operadoras de TV por assinatura deixam evidente essa ideia em acabar com as mini-parabólicas, pelos motivos que eu expliquei nesse post. Agora, cabe a você decidir o que fazer.

E depois todos se perguntam por que as pessoas estão abandonando a TV por assinatura…


Compartilhe