Em pleno 2020, e nada do AirDrop do Android aparecer…

Compartilhe

A Apple tem como uma de suas poderosas armas o AirDrop, que permite o envio de arquivos entre um Mac, um iPhone e um iPad com muita facilidade e simplicidade. Já no Android, as coisas são bem diferentes. O WiFi Direct já está disponível em todos os dispositivos com esse sistema operacional, mas não pode ser enviado para enviar arquivos.

Por norma, você precisa instalar um aplicativo que aproveite a implementação do WiFi Direct para enviar arquivos entre dois dispositivos. Até agora, não existe um sistema universal para o Android, ou um AirDrop para o sistema operacional do Google.

O que não quer dizer que os fabricantes não estão interessados nisso.

 

 

As tentativas para criar um AirDrop no Android

Xiaomi, OPPO e Vivo (e Realme, aparentemente) anunciaram a Peer-to-Peer Transmission Alliance, em um sistema que permite o envio de arquivos sem depender de uma conexão de internet, de forma rápida e estável, entre os dispositivos Android. O sistema vai funcionar nos smartphones dessas marcas, nos modelos descritos abaixo:

Xiaomi: todos os modelos que contam com a MIUI 11 e rodam o Android 9 Pie ou superior, com exceção dos modelos Redmi 6 Pro, Redmi 6, Redmi 6A, Redmi 7A, Redmi 7, Redmi S2, Redmi 8, Redmi 8A, Redmi Note 8 e Redmi Note 8T.

OPPO: todos os modelos que contam com o ColorOS 7 (Android 10) e superior. Estão em fase de testes os modelos Reno 2, Reno 10X Zoom, F11 Pro, F11 Pro Marvel’s Avengers Limited Edition e F11, mas esses testes vão se expandir para a séries Find, Reno, R, F, A e K3 nos próximos meses.

Os modelos mencionados poderão enviar arquivos via WiFi Direct a 20 MB/s, utilizando a conectividade Bluetooth para emparelhamento rápido e a tecnologia WiFi P2P para a transferência de dados. O mercado que o sistema vai arrebanhar é enorme: na China, a Vivo tem 19% de cota de mercado, seguida pela OPPO com 18% e pela Xiaomi com 12%. Todas distantes da Huawei e Honor, que acumulam 40%.

A Xiaomi tem um sistema similar, o ShareMe (antes Mi Drop), um aplicativo pré instalado que funciona de forma similar ao AirDrop e que transfere arquivos para o PC via WebShare. Qualquer smartphone Android pode usar o aplicativo, que está disponível na Google Play e não possui barreiras de entrada de hardware. A OPPO também tem o seu sistema, o OPPO Share.

Muito antes deles, alguns apps estavam fazendo barulho com a mesma proposta, como o ShareIt, o Xender ou o Snapdrop. Porém, a necessidade de usar um app externo continua, enquanto que o AirDrop vem com o sistema operacional como padrão. No Android, não existe uma função integrada do sistema operacional que suplante a necessidade do app externo, por enquanto.

 

 

Google, e o Fast Share que nunca foi

Vamos ver se as três marcas chinesas conseguem fazer do seu sistema uma espécie de AirDrop para o Android. Por outro lado, o Google também pensou em uma alternativa que, esta sim, estaria implementada no sistema operacional de forma nativa e aproveitando a inclusão do WiFi Direct de forma universal: o Fast Share.

A primeira vez que ouvimos falar dele foi em 2014, mas com o nome Copresence, mas que deu em nada. Em julho de 2019, conseguiram habilitar o Fast Share em um beta do Android 10, e o seu funcionamento era exatamente o mesmo do AirDrop, com o compartilhamento compatível com Chromebooks, smartwatches e até o iPhone.

Muitos acreditavam que ele poderia chegar ao Android 10 na sua versão final, mas não foi isso o que aconteceu. No final de novembro de 2019, o Fast Share voltou a ser ativado, e dessa vez com uma nova interface e como parte do Google Services, o que indicava que o recurso não seria exclusivo dos dispositivos Pixel ou de uma versão específica do Android. Bastaria uma atualização do Google Play Services que, em teoria, o recurso seria ativado.

Porém, nada sabemos da chegada do Fast Share. A melhor alternativa apresentada pelo Google é o Files, seu gestor de arquivos para o Android, que possui um sistema de envio de arquivos baseados em WiFi Direct que, obviamente, ainda depende que os dois dispositivos contem com o Files instalado e que estejam conectados na mesma rede.

Nos últimos tempos, testemunhamos como os ecossistemas fechados começaram a se abrir aos poucos, favorecendo assim a interconectividade dos serviços e dispositivos. A prova disso é a recente parceria entre Apple, Google, Amazon e Zigbee para desenvolver um padrão comum para os gadgets IoT. Por enquanto, o Android ainda depende de outras soluções para transferir arquivos entre si. E só o tempo vai dizer quando vamos poder nos livrar de gambiarras como WhatsApp e Telegram para transferir arquivos de forma nativa no sistema operacional do Google.

 

Via Mi, PRNewsWire,


Compartilhe