Edge Chromium é mais seguro que o Google Chrome, e eu posso provar

Compartilhe

Quando o Google Chrome apareceu pela primeira vez, eu disse que ele iria dominar o mundo. Não era uma profecia. Era o óbvio. Um navegador web desenvolvido pela gigante de buscas na internet só poderia resultar na liderança absoluta dentro de um segmento, superando com facilidade (para não dizer que aniquilou por completo) o até então onipresente Internet Explorer da Microsoft.

Durante muito tempo, nós teimamos em acreditar que o Google Chrome sempre foi o melhor navegador de internet disponível no mercado, com algumas pessoas discordando dessa opinião, colocando alternativas como o Firefox ou o Opera nessa posição. Na verdade, a alternativa do Google se tornou a mais popular. E a história mostra claramente que o mais popular não quer dizer que é o melhor, mas sim que é o mais utilizado.

Por outro lado, os navegadores web da Microsoft se transformaram em sinônimo de piada, e todos nós aproveitamos todas as oportunidades possíveis e imagináveis para ridicularizar o Internet Explorer 6 (por exemplo), afirmando que ele só servia para uma coisa: ser a via que permitia o download do Google Chrome logo após a instalação do Windows no computador.

O bullying aqui acontecia com justiça. O Internet Explorer 6 (e algumas de suas versões anteriores) era lento, pesado e obrigava a todos os programadores a desenvolver uma versão do seu site ou blog exclusivo para ele. E isso era péssimo para todos.

Mas o tempo passou… e novos tempos estão chegando.

 

 

 

O novo sempre vem, e para melhorar tudo

 

 

Quando a Microsoft decidiu mudar o seu motor web a favor do Chromium e materializou para o mundo o Edge Chromium, muita gente achou que tudo iria piorar, baseado em tudo o que hoje vivemos com o Google Chrome, que se tornou um navegador que devora os recursos do sistema operacional sem dó nem piedade. Porém, outro detalhe gerava muitas preocupações nos mais céticos: a falta de privacidade.

Como todos bem sabem, o Google Chrome espia os seus usuários o tempo todo, a cada segundo, inclusive quando falamos perto dele (com o computador ou smartphone ligado). Mesmo sabendo disso, muitas pessoas preferem usar esse navegador por causa de sua simplicidade e maior velocidade de navegação web.

Porém, está mais do que claro que ele não é a melhor opção nos aspectos de segurança. E o fato mais inusitado de tudo isso é saber que o Microsoft Edge Chromium evoluiu a tal ponto, que se tornou muito mais seguro que o Chrome, se apresentando como um sério competidor nesse aspecto.

A forma em como o Edge Chromium fez isso está principalmente no fato que o navegador consegue evitar que o seu dispositivo fique cheio de lixo desnecessário nos downloads, que muitas vezes são realizados automaticamente quando entramos em determinados sites.

Isso acontece principalmente quando os usuários menos experientes na internet (normalmente os idosos) entram em sites maliciosos, ou quando os vovós permitem que os netinhos naveguem pela internet. É nesse momento que, “de forma muito misteriosa”, são instaladas toolbars ou extensões que só deixam a experiência de navegação na internet mais lenta e irritante.

O Edge bloqueia tudo isso porque conta com uma função integrada chamada SmartScreen, que bloqueia também os downloads de malwares e possíveis ataques de phishing. E esse é um avanço enorme que o Google bem que podia aprender para implementar no Chrome de forma nativa.

Pela primeira vez em anos, eu eliminei o Google Chrome do meu computador principal, e estou utilizando o novo Microsoft Edge Chromium como navegador padrão. Não me arrependo da escolha. Estou gostando muito do desempenho do novo Edge, e recomendo que você dê uma chance para ele.


Compartilhe