O gigantesco notch do Google Pixel 3 XL não é nenhuma surpresa. Mesmo assim, é bem estranho. O anúncio oficial do smartphone levantou as discussões, pois o Pixel 3, irmão menor desse dispositivo, não recebeu o notch.

Por que a Google não se inspirou no design de gota, quando teve mais de um ano para elaborar o design desse smartphone? Não tem muita desculpa para apresentar um notch tão grande. Comparando com os demais, a proposta do Pixel 3 XL é quase uma aberração.

Os dois novos smartphones da Google contam com um sistema de câmera frontal dupla, além de duas colunas de áudio frontais, que precisavam ser integrados em algum lugar do corpo do smartphone. O resultado foi sacrificar o design para incluir as funcionalidades.

Porém, outros fabricantes conseguiram integrar a câmera dupla frontal, mas sem comprometer o design. O Huawei Mate 20 Lite é a prova do que eu estou falando.

 

 

Mesmo com o notch questionável, o Pixel 3 XL ainda é um smartphone top de linha, e um dos melhores dispositivos Android de 2018. Porém, para um produto que custa a partir de US$ 899, o design deveria receber um certo protagonismo.

Ou seja, a Google precisava dar maior atenção aos pequenos detalhes (ou, nesse caso em específico, um detalhe enorme). É um smartphone caro demais para ser displicente com algo que é importante para boa parte dos consumidores.

Quem sabe não está na hora da Google voltar a adotar a filosofia Nexus? Aquela que sempre entregou ótimos smartphones, com especificações técnicas decentes a ponto de entregar um desempenho igualmente decente, com boas câmeras, com um design sóbrio em vários aspectos e preço competitivo?

Eu me lembro desse tempo. Eu fui um feliz proprietário de um tablet Nexus 7 e dos ótimos smartphones Samsung Nexus, Nexus 4 e Nexus 5. Eu era feliz, e muita gente também era. E tudo funcionava bem.

Eu nem sou de encher o saco por causa do notch, mas no caso do Pixel 3 XL, a Google deu uma bela pisada de bola.

Tenho que admitir.