Disney+ já tem 50 milhões de assinantes

Compartilhe

O Disney+ começou com tudo, e a quarentena em vários países do planeta por conta da pandemia impulsionou ainda mais o seu crescimento. Até agora, os números apresentados incomodam (e muito) a concorrência: são 50 milhões de assinantes no serviço, somando todos os países onde a plataforma de streaming da Disney já está ativa.

Para você ter uma ideia sobre o quanto esses números são expressivos, a própria Disney esperava alcançar entre 60 e 90 milhões de usuários ao longo dos primeiros cinco anos de vida da plataforma. Porém, no dia do seu lançamento foram mais de 10 milhões de assinantes, que se transformaram em 28 milhões depois de três meses, e agora, com quase cinco meses de atividades, são 50 milhões de assinantes.

 

 

 

Um início mais potente que o esperado

 

 

Outro parâmetro que precisa ser analisado é a comparação dos números do Disney+ com a concorrência. A Netflix, que ainda é a líder do segmento, conta com 167 milhões de usuários, mas está perdendo assinantes a cada trimestre. Por outro lado, o Amazon Prime Video tem 150 milhões, e a HBO segue um pouco atrás.

Dois argumentos que pesam a favor do Disney+ nesse momento são o preço e o seu catálogo. A plataforma do Mickey é mais barata que os seus concorrentes diretos (pelo menos lá fora; ainda não sabemos qual é o seu preço no Brasil), e seu catálogo está repleto de clássicos que acompanham a vida das pessoas há muito tempo, sem falar que conta com conteúdos de empresas que se destacam em oferecer entretenimento para toda a família: Disney, Star Wars, Marvel, Pixar, Os Simpsons, 20th Century Studios… e esse catálogo não vai parar de crescer nos próximos meses.

Outro detalhe que é importante ser mencionado é que a grande acolhida que o Disney+ está recebendo não está relacionada apenas ao seu nome: a pandemia atual está mantendo muitas famílias inteiras em casa, e a plataforma é uma das mais eficientes alternativas para quem está procurando conteúdos para entreter as crianças e adolescentes. Além disso, só nos Estados Unidos estão a maioria dos assinantes do serviço nesse momento (pelo menos os primeiros 28 milhões de assinantes), mas na Índia, um dos países que já recebem os seus serviços, já temos ali 8 milhões de assinantes.

 

 

A pergunta é: será que a Disney+ mantém o mesmo ritmo depois que a pandemia passar? Apesar de suas toneladas de clássicos e outros conteúdos que ainda vão chegar na plataforma (que são conteúdos que sempre chamam a atenção para o usuário mainstream), o serviço tem as suas desvantagens, como – por exemplo – se apoiar em clássicos vistos e revistos por todo mundo, ou oferecer apenas conteúdos para toda a família, sem focar tanto nos usuários que buscam um material mais adulto.

Vamos deixar o tempo passar e observar o que pode acontecer.

 

 

Via Business Wire


Compartilhe