Deep Web, Dark Web, Darknets… são termos novos para muita gente, pois ficaram em evidência depois de tantos problemas que apareceram em nosso mundo relacionados a atividades iniciadas e/ou desenvolvidas nessas diferentes redes. Mas a maioria das pessoas não conhece as diferenças entre elas.

Nesse post, vamos tentar esclarecer os três conceitos, apresentando as suas principais diferenças e a o que nos referimos com elas.

Então, para começar… do começo. Pense na internet como um grande iceberg, que é dividido por camadas. Logo, para falar da profundeza, é preciso conhecer primeiro a superfície.

 

 

Surface Web, a internet que conhecemos

 

 

A Surface Web é a internet tal e qual a maioria dos internautas conhece. É a World Wide Web que qualquer pessoa pode acessar com facilidade. Nela, podemos ser facilmente rastreados, indexados e localizados pelas mais diversas maneiras e ferramentas. Seu tamanho exato é impreciso, mas calcula-se que, nesse momento, é composta por pelo menos 1.139 bilhão de páginas (há quem diga que são mais de 4.7 bilhões de páginas indexadas). E essa é apenas uma pequena parte dos dados que navegam pela web.

 

 

Deep Web, as profundezas da World Wide Web

 

 

Levando em conta que aproximadamente 90% do conteúdo da internet não é acessada pelos motores de busca padrão, podemos dizer que a Deep Web (ou Invisible Web, ou Hidden Web) engloba toda a informação online que não é pública. Podem ser páginas protegidas por um paywall, arquivos salvos no Dropbox ou e-mails salvos em servidores. Também estão na Deep Web sites com um Disallow no arquivo robots.txt ou páginas geradas ao consultar um banco de dados. Nada disso os buscadores convencionais conseguem identificar.

 

 

Dark Web, a internet das profundidades

 

 

Muitas vezes confundida com a Deep Web, a Dark Web tem apenas 0.1% dos dados da internet. É uma porção da internet que está intencionalmente oculta, utilizando endereços IP mascarados e só acessível com um navegador web especial. É uma compilação de tudo o que fica de fora da internet, incluindo conteúdos da Deep Web. A Dark Web tem páginas com domínios próprios, que só podem ser acessados com software específico para navegação nas Darknets.

Alguns buscadores específicos podem encontrar páginas da Dark Web, como o Clearnet e o Onion City. Outros buscadores dentro das Darknets fazem o mesmo trabalho, como o Not Evil, Torch ou a versão alterada do DuckDuckGo. Ferramentas como o Onion.to permitem o acesso às Dark Webs do TOR adicionando a terminação .to ao domínio .onion.

 

 

Darknets, as redes independentes que compõem a Dark Web

 

 

É uma coleção de redes e tecnologias que podem revolucionar o compartilhamento de conteúdo digital. Enquanto na Dark Web todo o conteúdo está deliberadamente oculto, nas Darknets temos redes específicas, como a TOR ou a I2P que alojam essas páginas.

As mais conhecidas são as redes friend-to-friend Freenet, I2P ou Invisible Internet Project. Mas sem dúvida a mais popular é a TOR, que possui a sua própria Darknet, e é basicamente a referência principal do assunto.

 

 

Daqui para frente, não se assuste se os veículos de tecnologia utilizar um termo como outro. O mais importante é que você saiba diferenciar cada um deles. E essa é a finalidade desse post.