Será? De novo não!

A Samsung quer deixar para trás o pesadelo que foi o Galaxy Note 7, mas de tempos em tempos essa fantasma volta a se manifestar. Dessa vez, no primeiro caso de Galaxy Note 9 que pega fogo.

Aconteceu nos Estados Unidos. O Galaxy Note 9 de Diane Chung começou a se manifestar espontaneamente dentro de sua bolsa, enquanto ela estava dentro de um elevador de um prédio. Aliás, um lugar bem tranquilo para um smartphone começar a pegar fogo.

Pela descrição de Chung, as características do incidente são semelhantes aos casos relatados na época do Galaxy Note 7, o que deixa essa aura de revival do inferno no ar.

Chung estava usando o smartphone, quando ele ficou “extremamente quente”. Ela parou de usar o dispositivo imediatamente, e guardou na bolsa. Então, ela começou a ouvir um assobio estridente, e percebeu a fumaça saindo de dentro de sua bolsa.

Ainda deu tempo de Chung sair do saguão e chutar o smartphone longe, que só foi resfriado com água. O fogo danificou tudo o que ela tinha dentro da bolsa.

Agora, Diane Chung está processando a Samsung pelos prejuízos que tomou com o smartphone incendiário.

Sim… já vimos esse filme antes. Mas não vamos ficar aqui levantando teorias conspiratórias.

Vamos acreditar que este é apenas um caso isolado, e que muito provavelmente o incidente foi causado por algum procedimento indevido por parte da usuária.

Por outro lado, a Samsung tenta tranquilizar os consumidores, reforçando que o Galaxy Note 9 não terá qualquer tipo de problema de bateria, pois as mesmas estão bem seguras. Entende que este é um caso isolado, mas que vai investigar para verificar o que aconteceu.

De novo: não somos nós que vamos levantar teorias conspiratórias. Mas é sempre importante lembrar que o Galaxy Note 9 é um smartphone caro pra caramba (R$ 6 mil no Brasil) e que sua bateria possui generosos 4.000 mAh (contra 3.300 mAh do Galaxy Note 8, quando a Samsung ainda estava com medo do que poderia acontecer com o dispositivo).

Vamos acompanhar esse caso com muita calma e atenção.

 

Via New York Post