O post a seguir é um alerta geral, uma vez que entendo que prática pode ser aplicada no Brasil, país onde a malandragem está no DNA (goste você ou não dessa afirmação).

Lá fora, o ‘golpe do vômito’ no Uber tem como objetivo cobrar do passageiro uma taxa adicional pela suposta sujeira causada durante a corrida. Acontece é que nem sempre o incidente é provocado pelo passageiro, que pouco pode fazer para provar que é inocente nessa história.

Depois da corrida realizada, o motorista notifica o Uber sobre a sujeira em seu carro, que cobra do passageiro entre US$ 80 e US$ 150 pelas corridas que o motorista vai perder por não conseguir utilizar o carro naquele estado. Porém, o motorista malandro manda fotos de um incidente anterior, que não foram provocados pelo passageiro, que vira vítima na situação.

Só resta ao passageiro tentar convencer o Uber que é inocente. A empresa investiga a situação. Se concordar com os motivos alegados pelo passageiro, devolve a taxa cobrada de forma indevida e pode até expulsar o motorista que tentou o golpe.

Alguns motoristas chegam a cobrar a taxa de limpeza mesmo em corridas canceladas. Aliás, no Brasil, a prática de corridas canceladas pelo motorista é notoriamente reconhecida pelos usuários do Uber como uma forma de capitalizar sem prestar o serviço.

Cabe agora ao Uber estabelecer políticas mais rígidas para evitar o constrangimento para seus clientes. E punir efetivamente os motoristas que estão agindo de má fé.

 

Via Tecnoblog, Miami Herald