A Xiaomi se tornou muito popular por conta de sua excelente relação custo-benefício em seus produtos. No Brasil, os dispositivos chegam por aqui via importação, com sites especializados em despachar os produtos internacionalmente.

Porém, essa jogada pode parar de compensar, pelo menos para quem quer ter acesso às ROMs lançadas a nível global. E essa é uma péssima notícia para os usuários.

As ROMs chinesas não contam com os serviços da Google (que estão banidos naquele país). Ou seja, você não pode usar a conta Google para sincronizar contatos e outros serviços, nem acessar apps adquiridos na PlayStore. Sem falar que esses smartphones contam com apps com inscrições em chinês, com vários softwares que você nunca vai usar.

Já as ROMs globais foram desenvolvidas para usar em mercados fora da China, trazendo tudo o que realmente interessa.

 

 

Até agora, era possível comprar um equipamento da China e sua ROM chinesa e trocar a ROM pela versão global. Porém, isso não será mais possível. O contrário também não dá, mas isso pouco nos interessa (exceto para aqueles que queriam atualizações mais rápidas).

Nesse momento, não sabemos quais dispositivos da Xiaomi receberão o veto, e até agora a medida parece estar restrita à MIUI 10. Mas há relatos na web que afirmam que a troca é possível, desde que o bootloader do smartphone esteja desbloqueado.

Obviamente, a Xiaomi recomenda a compra de dispositivos a partir de sua loja online ou de varejistas autorizados, para evitar problemas com compras na China.

De qualquer forma, se você está acostumado a utilizar as lojas chinesas para comprar os seus equipamentos, a dica é: procure sempre pelas versões globais para não enfrentar problemas como esse no futuro.