A popularidade de Fortnite Battle Royale está causando grandes preocupações nas pessoas que convivem com amigos ou conhecidos que dedicam a sua vida ao jogo, comendo, vivendo e sonhando com o game. Amenas conversas familiares viraram sessões de soberba e orgulho pelas conquistas no jogo, e isso é bem chato, convenhamos.

Tal comportamento retardado levou a uma petição (de brincadeira) para eliminar Fortnite do mapa, e a petição virou viral nas redes sociais. Muitos relataram na petição as experiências ruins que o jogo trouxe com seus relacionamentos mais pessoais.

A última atualização da petição no Change.org destaca que tudo era uma brincadeira, mas serviu para mostrar como o jogo pode roubar o tempo de uma pessoa, e em como isso é um problema. Mostrou também como mães, namoradas e esposas são ignoradas por causa do jogo.

3.400 pessoas (e contando) já assinaram a petição, comentando situações parecidas que abrem uma séria discussão: alguns dos casos são legítimos de vício, e outros revelam problemas familiares e de relacionamentos pessoais.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já reconhece o vício nos videogames como um transtorno, classificando como um perigo à saúde mental, um padrão de comportamento que se caracteriza por um controle reduzido sobre o jogo, que tem mais prioridade em relação a outras atividades.

Este não é um caso isolado. É provável que todos os casos sejam apenas fruto da popularidade que Fortnite acumulou nos últimos meses. Mas nunca é demais tomar precauções com pessoas que podem ser mais impressionáveis.

 

Via Change.org