Coronavírus COVID-19 chegou ao Brasil: mapa do Google mostra sua expansão

Compartilhe

Agora que a crise do Coronavírus COVID-19 chegou ao Brasil (o primeiro caso no país acabou de ser confirmado pelo Ministério da Saúde, onde agora estamos em estado de emergência de saúde pública de importância nacional: mais 20 casos suspeitos são monitorados), talvez você queira se inteirar um pouco mais sobre o assunto. O TargetHD.net vem fazendo a sua parte, acompanhando a crise de perto e como ela afetou o mundo da tecnologia, tanto no cancelamento da Mobile World Congress 2020 como nos efeitos que ela já produz no segmento de tecnologia como um todo, com a redução de produção de produtos no Brasil e as medidas que as gigantes de tecnologia estão tomando para reduzir os impactos da doença.

Porém, nesse momento, apesar de alguns avanços para encontrar uma vacina para o Coronavírus COVID-19, fato é que o ritmo do seu crescimento ao redor do planeta é constante, e seu status nesse momento é de potencial pandemia para a Organização Mundial de Saúde (OMS). A China ainda concentra o maior número de casos, mas países como Espanha, Estados Unidos, Alemanha e Itália começam a registrar um número cada vez maior de contágios.

Para manter você informado sobre o cenário geral do problema (principalmente para aquelas pessoas que vão viajar para o exterior nos próximos meses), o Google Maps habilitou um mapa interativo com atualização em tempo real, mostrando como está a evolução da propagação do COVID-19, de acordo com os casos que são reportados pelas autoridades de saúde dos diferentes países.

O mapa não é uma novidade. Ele foi disponibilizado no Google em janeiro de 2020, e seu valor que antes era de mera curiosidade (já o problema do Coronavírus COVID-19 começou em uma área praticamente delimitada na China) agora mostra uma perspectiva completamente diferente, justamente por causa da expansão e propagação da doença, que agora abarca vários países.

 

 

O mapa marca aquelas nações com casos confirmados, aqueles que estão em processo de confirmação, os casos descartados e as fatalidades reportadas ao redor do mundo por conta da doença. A boa notícia que o mapa pode mostrar é que, pelo menos por enquanto (e nesse momento que esse post é produzido), boa parte do continente africano e da América Latina se encontram relativamente livres de contágios, ou contam com um número mínimo de casos.

Porém, não podemos nos deixar enganar pelos números de momento. A crise do Coronavírus COVID-19 se mantém, o que obriga aos países a seguirem aplicando os protocolos de segurança e saúde necessários para fazer frente a essa complexa situação.

 

 

 

Um mundo global e conectado que enfrenta o COVID-19

 

 

É preciso deixar bem claro que o Coronavírus COVID-19 é, em essência, um vírus da gripe que passou por uma mutação e que, nesse momento, não possui uma vacina para combatê-la. Ela pode ser letal, especialmente nos idosos e nas pessoas com um diagnóstico com doença grave.

Por outro lado, sobrevivemos ao H1N1, que era muito mais séria do que a COVID-19, já que afetava basicamente os jovens e as gestantes, um grande escopo da população brasileira. Não quero dizer com isso que não devemos cuidar dos nossos idosos, mas que esse grupo demográfico é consideravelmente menor no Brasil na Europa e, principalmente, na Ásia.

O Coronavírus COVID-19 é tratável quando diagnosticado de forma prévia, e a melhor forma em prevenir o avanço da doença é se munir de informação e prevenção. Ou seja, procure por veículos sérios que passam as informações corretas sobre a expansão e prevenção da doença. Além disso, procure adotar alguns hábitos preventivos, como lavar as mãos e o rosto com maior frequência, evitar aglomerações desnecessárias, evitar a troca de fluídos corporais e, principalmente, manter a calma, pois tudo vai ficar bem no final.


Compartilhe