Compartilhe

Com os preços mais elevados por causa da mineração de criptodivisas, as placas gráficas de segunda mão se tornaram uma ótima opção, especialmente para quem não pode esperar a próxima geração de produtos da NVIDIA e AMD.

Os preços só devem se estabilizar no final de 2018 ou começo de 2019 com a chegada das GeForce GTX 2000 e Radeon RX Vega de segunda geração. E só isso já deve aumentar o mercado de segunda mão.

Os gamers e mineradores vão renovar os seus equipamentos, aumentando o mercado de segunda mão. mas o preço não é o único fator que você deve considerar.

Não corra o risco de comprar um produto em mal estado ou que não atende as suas expectativas. Nesse post, oferecemos alguns conselhos fundamentais para que você realize a melhor escolha.

Esperamos ajudar de alguma forma.

1. Seja consciente das limitações do seu equipamento

Se o seu computador é muito antigo, comprar uma placa gráfica de segunda mão muito potente não será algo tão proveitoso assim. Outros problemas sérios podem aparecer, como por exemplo: falta de espaço no gabinete para instalar a placa, fonte de alimentação que não é potente o suficiente, má ventilação que pode resultar em problemas de temperatura, entre outros.

Revise os componentes do seu computador, e pense qual é o melhor modelo de placa gráfica que se ajusta aos seus propósitos.

2. Pense na resolução que você vai usar em jogos

A resolução deve ser a nativa do seu monitor. Abaixo disso, você perde nitidez de forma drástica. Logo, dê ênfase para isso acima de qualquer outro ajuste.

Revise as placas gráficas e suas diferentes resoluções compatíveis. A seguir, e como referência genérica, segue uma pequena lista que serve de ponto de partida para a sua escolha:

Resolução 720p: GTX 750 / Radeon HD 7790 (mínimo recomendável).
Resolução 1080p: Radeon R9 270 / GTX 670 (mínimo recomendável).
Resolução 1440p: GTX 970 / Radeon RX 480 (mínimo recomendável).
Resolução 2160p: GTX 980 TI / Radeon R9 Fury X (mínimo recomendável).

3. Peça informações e, se possível, faça testes

Na hora de comprar uma placa gráfica de segunda mão, pergunte o uso que foi dado e, se possível, confirme a data de compra da mesma, pois isso te dá uma referência do quanto essa placa já foi castigada.

Evite a todo custo placas que foram utilizadas para minerar criptodivisas, ou que trabalharam em regime 24/7 e com níveis de overclock elevados. Tudo isso reduz a sua vida útil e aumento de riscos de falhas prematuras. Porém, se você encontrar um modelo muito bom por um ótimo preço, faça testes a fundo antes da compra.

De um modo geral, procure comprar de quem você pode ver e testar o produto antes do pagamento. A seguir, alguns passos importantes para avaliar o estado do componente:

– Faça um teste de desempenho sintético extremo, com o Futuremark, por exemplo. Controle a temperatura da placa para verificar se ela fica em limites razoáveis. Se travamentos ou falhas acontecem durante os testes, ou se a temperatura supera os 80 graus Celsius, evite a compra.
– Faça uma análise visual da placa, em busca de marcas que podem indicar anomalias. Uma descoloração ou marca negra na placa são maus sintomas.
– Se a placa tem mais mais de quatro anos de uso, questione se a pasta térmica foi trocada. Se não foi, os valores anormais de temperatura podem ser por causa disso, e a placa ainda pode funcionar perfeitamente com uma simples limpeza e aplicação de uma pasta térmica nova.

4. Compare preços e não tenha medo de negociar

O mercado de placas gráficas está inflado, mas isso vale para as gerações mais recentes. Placas inferiores devem ter preços mais razoáveis. Vai ter vendedores inflacionando valores, mas não tenha medo de negociar.

Comparar preços pode ajudar a mostrar ao vendedor que você encontrou ofertas melhores, o que pode ajudar a reduzir o preço da placa seminova.

Lembre que os modelos baseados no design de referência de cada placa gráfica são mais baratas, contam com dissipadores mais modestos e não contam com overclock nativo.

Sobre o pagamento, priorize o pagamento à vista e em dinheiro para reduzir riscos. No caso de transações online, certifique-se que a compra acontecerá em um sistema de reembolso prático em caso de problemas no pós venda.


Compartilhe