Comprar uma webcam em 2020 é um desafio

Compartilhe

Estamos em pleno isolamento social, e nossas atividades profissionais e escolares agora são feitas de casa. Muitos estão precisando se adaptar ao novo momento, e uma das grandes dificuldades de boa parte das pessoas foi a compra de uma nova webcam.

Tá, muita gente tem uma webcam integrada no notebook. Porém a falta de uso resultou em poeira dentro da lente, remoção acidental de drivers e uma qualidade de imagem pior do que qualquer câmera Tekpix. Por isso, a busca por uma nova webcam foi necessária. E esse está sendo um grande desafio para muita gente que pensou que nunca iria precisar desse item na vida.

 

 

 

Onde estão as webcams?

 

 

O mercado de webcams foi perdendo força com o passar dos anos, apesar do fato de muitos usuários decidirem produzir mais e mais vídeos para o YouTube. E isso se explica de forma bem simples quando olhamos para os detalhes no entorno dessa problemática.

Para começar, qualquer smartphone hoje consegue entregar uma qualidade de imagem muito melhor do que qualquer webcam disponível em um notebook ou no mercado em geral. Sem falar que outro grande grupo de usuários prefere gravar a própria tela do que aparecer em vídeos. Logo, a webcam do PC não é a melhor forma de fazer lives.

Além disso, bem sabemos que é possível conectar uma câmera semi-profissional (que é a mesma utilizada para realizar vídeos para o YouTube) como uma webcam, entregando resultados muito melhores.

Ou seja… webcam pra que, minha gente?

 

 

Logo, fica fácil explicar por que as webcams desapareceram do mercado como um todo: o público consumidor parou de se interessar por esse tipo de produto, e os fabricantes pararam de entregar propostas para o mercado.

E agora que todo mundo precisa ter uma webcam para seguir com suas vidas, temos um cenário onde elas se tornaram itens um tanto quanto raros nas lojas de e-commerce e sites especializados em produtos de informática. E, mesmo assim, quando encontramos uma webcam dando sopa, ela é bem cara.

E, ainda assim, tem muita gente que corre o sério risco de investir em um produto como esse para utilizar apenas nesse período de quarentena… para depois deixar a webcam encostada quando o mundo voltar ao “normal” (ou seja lá o que isso vai significar no futuro).

 

 

 

Quem grava vídeos para a internet não usa webcam. Fato!

 

 

Em uma sociedade tão centrada no vídeo, é estranho ser absurdamente complicado encontrar uma simples webcam no mercado. Porém, youtubers, instagrammers e tiktokers, que são majoritariamente seguidos pelos mais jovens, usam o câmeras semi-profissionais ou smartphones para produzir os seus conteúdos, e não uma webcam.

Hoje, a webcam passou para o quarto plano de interesse para os produtores de conteúdo. Porém, ela se tornou importante nesse momento para um grande público que hoje precisa se comunicar com o mundo, e o fazem de forma mais prática a partir desse periférico.

Youtubers e streammers procuram a máxima qualidade de imagem, enquanto que profissionais liberais e pessoas comuns querem a comunicação simples e prática. E a webcam ainda é a melhor forma de fazer isso. Hoje, webcams são para escritórios e reuniões esporádicas eventuais. Em 2004 (início de coleta de dados do Google Trends), eram muito procuradas, mas hoje contam com um interesse residual.

 

 

O cenário momentâneo da pandemia pode fazer com que as webcams voltem a receber uma certa visibilidade, mas que pode ser um efeito momentâneo e residual. Quem sabe é o “canto do cisne” do acessório, que pode se reinventar na próxima geração. Pode deixar de ser um acessório qualquer “só para dizer que tem” para finalmente começarmos a integrar câmeras com resolução FullHD nos notebooks. Mesmo que isso deixe os computadores portáteis mais caros.

Algo que demorou demais para acontecer.


Compartilhe