TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Como sobreviver à febre do streaming | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | TV Por Assinatura e Streaming | Como sobreviver à febre do streaming

Como sobreviver à febre do streaming

Compartilhe

No passado, todo mundo se contentava em assistir umas 20 séries por semana, montando a sua programação conforme o arquivo de Torrent era liberado para download. Como era um episódio por semana (e não eram todas as semanas que tinha episódio daquela série), ficava muito mais fácil ver várias séries ao mesmo tempo.

Ou tinha aqueles que só assistiam Lost mesmo por causa do vício, ignorando todo o resto.

Agora, existem mais plataformas de streaming do que tempo ou paciência para assistir a tanto conteúdo. Aliás, falta tempo e dinheiro para assinar a tantas plataformas, e muitos usuários optam em não ver nada para não perder tempo e dinheiro na vida.

Será que a vida dos fãs de séries melhorou ou piorou com a chegada das plataformas de streaming? Ou só aumentou a nossa ansiedade em escolher algo para ver?

Vamos tentar descobrir isso juntos.

 

A mania de estar em dia

Ter tantas opções ao mesmo tempo pode resultar em uma audiência que tem dificuldades em escolher o que assistir. No meio do caminho, com tantas coisas para ver, é mais difícil ainda se manter em dia com alguma série.

Há quem diga que dá para dedicar apenas uma hora por semana para assistir uma determinada série. Isso até tem algum sentido, mas quem mantem esse hábito com mais de uma produção pode ter todas as suas noites ocupadas com meia dúzia de séries.

No final das contas, você não tem tempo para ver tudo, e está jogando dinheiro fora por não conseguir assistir a todos os conteúdos que gostaria. E essa nem é a pior parte da problemática.

 

De gerenciar o hype a se proteger do hype

Em 2004, Lost era a série que você tinha que assistir SIM OU SIM. Eu não fiz isso, porque tinha vida na época. Mas muitos fãs de séries deram os seus pulos para conferir os episódios da série do momento. E, acredite: essa experiência passou bem longe da TV para muitos espectadores brasileiros.

Desde então, o mundo como um todo (tanto a audiência como os canais de TV) saíram à caça de uma nova série Lost para chamar de sua. E o que aconteceu? Temos uma geração que assiste no máximo dois episódios de uma nova série para rapidamente desistir daquela trama que não desperta nada dentro de quem estava acostumado com a história daquelas pessoas perdidas na ilha.

E o streaming chegou para tentar resolver essa problemática.

 

A febre do streaming

A Netflix saiu na frente neste segmento, e até tentou levantar o hype dos assinantes com Stranger Things. Porém, o tempo mostrou que a série só tinha o hype e nada mais. E Lost, além do hype, tinha engajamento, o que fez com que a trama ganhasse uma legião de fãs.

Com o tempo, a Netflix ganhou a concorrência de várias plataformas de streaming. Algumas funcionaram muito bem, enquanto que outras simplesmente jamais chegaram perto de incomodar os líderes do segmento.

De forma bem estranha, muitos dos usuários do streaming ficaram viciados na plataforma, mas não nas séries. E há quem diga que o efeito viciante de produções como Lost está diretamente relacionado com o fator da espera. Aquela semana que todo mundo ficava maturando o assunto até o próximo episódio.

Ou seja, até nisso o torrent contribuiu para o mundo do entretenimento, mas nenhum executivo de Hollywood terá a coragem de reconhecer isso.

 

Não tenho tantos anos para ver tudo… e eu nem preciso disso

A verdade é uma só: ninguém no mundo tem tanto tempo para ver tantas séries de TV como temos hoje na enorme oferta das plataformas de streaming. Que dirá vamos dar atenção para uma ou duas e pronto.

E é melhor você se convencer que não tem nada de errado nisso. O dia tem apenas 24 horas, e muitos de nós precisamos trabalhar em torno de 8 horas por dia para pagar as contas. Ou seja, não dá para ficar perdendo tempo com essa enorme quantidade de conteúdos disponíveis.

 

Ver tudo de uma vez em todas as partes

Quando a plataforma de consumo era o torrent, todo mundo se ajustava com o mecanismo de lançamento semanal dos episódios combinado com o controle absoluto sobre quando ver aquele episódio. Agora, com o streaming, nos vemos no compromisso em assistir tudo o que está disponível, mesmo que o tempo seja algo absolutamente relativo para qualquer pessoa.

Outra vantagem do torrent em relação ao streaming: era o próprio usuário quem escolhia todos os conteúdos que iria assistir, removendo a excitação pela enorme oferta de conteúdos que só serve para aumentar a ansiedade e aumentar o tempo que vai levar par ao usuário escolher algum conteúdo para ver naquele momento.

 

O que quero dizer com o “Peak TV”?

Existem muitas plataformas de streaming ativas neste momento, e está mais do que claro que isso não vai mudar tão cedo, onde várias outros serviços dentro desse segmento vão aparecer.

É importante estabelecer um equilíbrio perfeito entre o que as pessoas querem ver, o que essas pessoas estão dispostas a pagar e qual é o lucro que cada plataforma vai ter que abrir mão de receber para evitar que os usuários desses serviços voltem para o P2P.

No final das contas, todo mundo pode voltar para aquele tempo onde fazia o download de 80 horas de conteúdos por semana quando só contava com tempo para assistir no máximo 10 horas de conteúdo.

Mas pelo menos era a gente que escolhia o que ver antes, sem precisar perder tempo que nem um idiota com o controle remoto na mão, sem saber sobre o que assistir.


Compartilhe