Compartilhe

A tecnologia não é algo novo no esporte, mas não faz muito tempo que essa mesma tecnologia começou a afetar de forma direta nos resultados de uma partida de futebol. Isso começou a mudar em 2017, quando o VAR, o novo sistema de vídeo arbitragem, começou a ser utilizado em algumas competições, com sua estreia em definitivo na Copa do Mundo FIFA Rússia 2018.

O sistema deu o que falar durante a Copa do Mundo Feminina FIFA França 2019, mas… a tecnologia está afetando tão a fundo o desenvolvimento do futebol?

O VAR foi alvo de polêmica durante toda a temporada de futebol, e na Copa do Mundo Feminina não seria diferente, com pênaltis marcados (ou não) e gols anulados a partir da revisão do VAR.

O jogo entre Camarões e Inglaterra foi onde o VAR foi o mais decisivo para a vitória das inglesas por 3 a 0. Primeiro, a árbitra anulou um gol por impedimento que depois foi confirmado pelo sistema de vídeo arbitragem. Depois, o VAR anularia um gol de Camarões. Assim, podemos dizer de forma clara que o VAR foi chave para determinar o resultado final das partidas.

Tudo isso dá o que pensar, já que a interpretação das imagens do VAR segue sendo algo bem subjetivo. Ainda é o árbitro que toma as decisões mais relevantes, e usa a tecnologia apenas para garantir se tomou a decisão certa.

 

 

O VAR e a nova forma de viver o futebol

 

 

A chegada da tecnologia mudou o panorama futebolístico. Tanto fãs como os profissionais foram afetados. E o mundo agora se divide entre aqueles que acreditam que o VAR é uma boa ideia, e aqueles que pensam que destrói a essência do futebol.

O uso dos sensores para evitar gols fantasma é um exemplo dos benefícios que podem aportar a tecnologia ao futebol. O VAR já é mais complicado. De novo: são os árbitros que tomam a decisão. Ainda. E não é fácil determinar se um contato é pênalti ou não, apesar de ver as imagens diversas vezes. Para alguns árbitros é pênalti. Para outros, não.

Depois, tem a questão do tempo. O VAR gasta muito tempo de jogo. Apesar da tecnologia, o modus operandi dos árbitros é muito lento. O VAR gerou mais paradas nas oitavas de final da Copa do Mundo Feminina do que em toda a Copa do Mundo 2018.

Conclusão: a tecnologia pode ser muito útil no futebol. Porém, ainda precisa ser melhorada e aplicada de forma mais eficiente. Vamos esperar para ver o que vai acontecer com o passar do tempo, mas parece que o VAR veio para ficar e fazer parte da história do futebol.


Compartilhe