Compartilhe

Navegar na internet sem deixar rastros é um desafio. Qualquer pessoa pode ver com facilidade o que você fez na web, através do seu histórico de navegação ou digitando termos ao acaso na barra de endereços.

Evite essa violação de sua intimidade sem muito esforço, protegendo a sua prática de navegação com truques bem simples.

 

 

 

Navegue em modo anônimo

 

Um das opções mais eficientes para quem não quer deixar rastros na internet. Os navegadores mais populares contam com esse modo e, ao ativar, ele não armazena o seu histórico de navegação e os cookies, impedindo que outras pessoas contem com um acesso ao que você visitou naquele navegador web.

É altamente recomendável para quem quer consumir a pornografia nossa de cada dia, ou para quem não quer que o marido descubra aquela conversa com “aquele amigo especial”.

 

No Google Chrome: clique nos três pontos do canto superior direito da janela de navegação, e na lista de opções, selecione o item “Nova janela anônima”. Uma janela em tom negro vai abrir, informando que você está nesse modo.

No Firefox: vá no canto superior direito da janela, e clique nas três linhas horizontais. No menu que vai aparecer, clique em “Nova janela privada”.

No Safari: abra o safari e acesse a aba Arquivo na parte superior do desktop. Na lista de opções que vai aparecer, clique em “Nova janela privada”.

 

 

 

Usar o modo anônimo no smartphone

 

Também é possível proteger a sua privacidade na web pelo smartphone.

 

No Google Chrome: uma vez aberto o navegador, vá na parte superior direita e clique nos três pontos. Na lista de opções que aparece, clique em “Nova aba anônima”.

No Safari: vá no canto superior direito e clique nos três pontos na horizontal. Na lista que vai aparecer, clique em Private.

 

 

 

Apague o histórico de navegação

 

Uma solução que também não deixa rastros do que você fez no navegador web, e é a medida adotada pela maioria dos usuários.

No Google Chrome: clique nos três pontos na parte superior direita da janela de navegação, e no menu que vai aparecer, clique no Histórico. Aqui, vai aparecer uma nova janela com todas as janelas que você fechou recentemente e sites visitados. Então, na lateral esquerda dessa janela, clique em Apagar dados de navegação. Confirme a opção e determine o que você quer apagar (histórico de navegação, cookies, arquivos e imagens armazenadas em cache, etc) e o intervalo de tempo (na última hora, 24 horas, 7 dias, 4 semanas ou todo o histórico). Uma vez estabelecidos os parâmetros, clique em Apagar dados.

No Firefox: vá no canto superior direito da janela e clique em Preferências. Na nova janela, marque a opção Privacidade e Segurança. No item histórico, você encontra várias opções para limpar o histórico do navegador. Você pode indicar um lapso temporal para a limpeza, além de apagar cookies, cache, sessões ativas e outros detalhes.

No Safari: abra o navegador, e na parte superior do desktop do macOS aparece a aba Histórico. Clique ali e selecione Apagar Histórico, onde você pode escolher entre hoje, hoje e ontem ou todo o histórico.

 

 

 

Apagar o histórico de navegação no smartphone

 

No Google Chrome: clique nos três pontos na vertical no canto superior direito da tela. Na lista, selecione Histórico e Apagar dados de navegação, onde você pode apagar cookies e dados de sites, além de arquivos de imagens armazenados no cache.

No Safari: abra o navegador, e vá ao canto superior direito para clicar sobre os três pontos na horizontal. Na lista, escolha entre Apagar Histórico, Limpar Cookies e Limpar Cache.

 

 

 

Use uma conexão segura e mude de buscador

 

Apesar do Google ser muito popular, outras alternativas são mais respeitosas com os seus dados pessoais, como o DuckDuckGo (por exemplo), que não armazena o seu histórico de buscas e não rastreiam a informação dos usuários, independente do modo anônimo estar ativo ou não.

Leve em consideração que não são apenas os navegadores web que conservam o nosso histórico de navegação. Todas as empresas que oferecem acesso à internet também armazenam esses dados. Logo, vale a pena pensar no uso de conexões seguras, como VPNs e provedores que codificam os dados de navegação. Consulte o seu provedor de internet para descobrir se ele oferece alguma proteção nesse sentido.


Compartilhe