Como funciona os strikes no YouTube | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Como funciona os strikes no YouTube | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Dicas, Truques e Macetes | Como funciona os strikes no YouTube

Como funciona os strikes no YouTube

Compartilhe

O YouTube é o site de referência para vídeos online. É a plataforma mais popular, onde milhões de internautas visitam todos os dias para obter notícias, entretenimento, informação e opinião, e um dos serviços mais visitados de toda a internet, com várias horas de consumo de conteúdo.

Logo, é natural que muitas outras pessoas acabem se interessando em publicar vídeos no YouTube. Afinal de contas, nos tempos atuais, qualquer pessoa pode se tornar um astro na plataforma, apresentando o seu talento em diferentes segmentos.

Existem diferentes formas para obter uma maior visibilidade dentro do YouTube, e esse é o grande trunfo da plataforma. Não existe uma única mecânica para produzir vídeos no site, o que acaba beneficiando os mais criativos. Por outro lado, existe um obstáculo imposto pelo próprio site que pode colocar em risco a sua permanência no serviço: os direitos autorais.

 

 

 

Cuidado com os conteúdos que você publica no YouTube

 

Muitos youtubers são populares porque conseguem criar o seu conteúdo comentando fatos e acontecimentos, produtos e serviços e, em algum momento, conteúdos de terceiros. Isso é algo fácil de compreender: quando queremos falar sobre cinema, é mais do que natural utilizar imagens dos filmes para ilustrar o seu ponto de vista.

O mesmo vale para séries de TV, produtos e serviços de tecnologia, comentários políticos e de celebridades, assim como praticamente qualquer outro assunto do nosso cotidiano.

Porém, o Google leva toda essa atividade no YouTube muito a sério, a ponto de modificar o seu algoritmo para incorporar o que é conhecido hoje como strikes. O termo tem uma ligação direta com o baseball, esporte muito popular nos Estados Unidos, onde o strike define algum erro ou infração do rebatedor durante um arremesso do time adversário.

E, no baseball, com três strikes, você é eliminado do jogo. No YouTube, é basicamente a mesma coisa.

 

 

 

O que são os strikes do YouTube?

 

No YouTube, os strikes são penalizações aplicadas a um usuário quando ele viola as políticas de uso da plataforma. Esse mecanismo foi criado pelo Google em 2019, e se tornou o pesadelo de muitos produtores de conteúdo.

E para você, que está começando a publicar os seus vídeos no YouTube, é de fundamental importância saber o que pode resultar em um strike na plataforma, para evitá-los a todo custo e, por tabela, evitar que o seu canal seja removido por causa deles.

 

 

 

Quais coisas podem resultar em strikes no YouTube?

 

Seu conteúdo publicado em seu canal do YouTube é penalizado quando você envia alguma imagem de nudez ou realiza um plágio de um conteúdo já existente. Também está proibido enviar cenas com conteúdo violento, cenas de sexo explícito ou realizar o spam nos comentários de outros vídeos com o objetivo de ganhar inscritos ou visitas em seus vídeos.

Você também pode ser penalizado quando coloca um título que não tem nada a ver com o conteúdo publicado, ou quando é detectado que você usou bots para gerar visitas.

E todos os itens que podem resultar em strikes no seu canal estão muito claros na política de utilização do YouTube (vale a pena ler esse conteúdo com atenção). Porém, em linhas gerais, os principais motivos para penalização na plataforma são esses descritos neste post.

 

 

 

Quantos strikes posso receber no YouTube?

 

O YouTube tem um limite de strikes permitidos para cada usuário. O número máximo é de três strikes.

Quando um usuário recebe essa quantidade, o seu canal é automaticamente desabilitado, ficando suspenso e, por fim, eliminado em definitivo. E uma vez eliminado, não é possível recuperar os vídeos do servidor, a não ser que você apresente um caso muito específico, provando para o YouTube que a penalização e eliminação do canal foi um equívoco por parte da plataforma.


Compartilhe