Compartilhe

O mercado de PC seque em clara queda nas vendas. O mercado procura compradores, mas eles não aparecem, mesmo com preços realmente atraentes. A sangria desse segmento continua, e é preciso entender exatamente o que está acontecendo, até mesmo para que o consumidor possa decidir se vale a pena comprar um novo PC nesse momento.

Nesse post, vamos tentar descobrir por que os usuários estão adiando a compra de um PC novo.

 

 

1. Novas plataformas de processamento

 

No passado, um novo processador impulsionava as vendas de PCs. Hoje, temos vários modelos novos, que melhoram em algum aspecto, mas não são argumentos para a compra de um novo computador. As máquinas com plataformas anteriores funcionam para o essencial, funcionam muito bem no trabalho, no acesso à internet e reprodução multimídia. Apenas nichos específicos precisam de atualização de hardware hoje.

 

 

2. Componentes

 

É reflexo do anterior. Mudar componentes que aporta valor tangível (disco rígido por SSD, aumentar a RAM, novo monitor, placa gráfica dedicada) vale mais a pena do que comprar um novo computador. E o mercado de componentes é tão importante para a indústria quanto as vendas de novos PCs.

 

 

3. Concorrência de outros dispositivos

 

Na era pós-PC, os smartphones viraram os protagonistas como dispositivo pessoal. Cada vez maiores e mais potentes, nas regiões em desenvolvimento os PCs foram abandonados para o acesso à internet. Hoje, um usuário substitui um smartphone com mais frequência que um PC, apesar do ponto de saturação do mercado mobile.

 

 

4. Windows 10

 

O atual sistema operacional da Microsoft não impulsionou a venda de novos PCs como aconteceu nas versões anteriores do software. Seu foco voltado para múltiplos formatos de hardware não agradou a turma do desktop informático. Já a sua gratuidade e requisitos mínimos de hardware não favorece a compra de novos computadores. O fim do suporte ao Windows 7 pode mudar essa situação.

 

 

5. Economia e preços

 

O preço médio dos computadores pessoais subiu (e muito) nos últimos anos. Mesmo com ofertas interessantes nos notebooks básicos, adquirir um PC exige um bom investimento. As variações cambiais também não ajudam, e elevado preço da RAM e das placas gráficas (e recente baixo stock de chips Intel) influenciam decisivamente nos preços mais inflados.


Compartilhe