Você decidiu montar um PC gaming, mas está cheio de configurações e dúvidas na cabeça. Esse post pode ajudar a organizar as ideias, derrubando alguns mitos.

A internet pode ser uma fantástica fonte de informação, mas nem tudo está filtrado para uma localização mais rápida. Sem falar nas informações falsas ou com erros, o que facilita a alimentar os mitos que devem ser esquecidos.

E é esse o objetivo desse post: acabar com alguns dos mitos das configurações de um PC gaming.

 

1. Intel sempre é melhor que AMD

 

 

Um dos mitos mais prejudiciais. Tudo bem que a Intel contou com uma posição dominante, mas isso é coisa do passado, especialmente depois da chegada da família de processadores Ryzen.

A AMD marcou um importante ponto de inflexão, voltando a ser competitiva especialmente pela boa relação custo-benefício que seus chips oferecem.

O IPC (ou desempenho bruto) dos chips Ryzen está no mesmo nível da família Intel Skylake (Core serie 6000), em configurações de 4, 6 e 8 núcleos, que são mais que suficientes para um bom PC gaming.

 

2. Sempre é preciso de refrigeração melhorada

 

 

Outra falácia bem comum.

O nível de refrigeração depende da configuração do PC gaming que você vai montar, mas na maioria dos casos, a não ser que você pretende realizar overcloking e vai utilizar um gabinete muito compacto, você não precisa de dissipadores.

No caso dos processadores de última geração, é sim necessário contar com um bom sistema de dissipação para melhor otimização, mas são casos muito específicos.

 

3. É fundamental uma placa gráfica top de linha para jogar bem

 

 

Vários sites, fóruns e áreas técnicas especializadas afirmam isso, mas na verdade basicamente temos que escolher placas com bom desempenho e ponto, mesmo que sejam de entrada ou linha média.

Para jogar em 1080p em condições aceitáveis, o mínimo recomendado é uma GTX 1050 ou uma Radeon RX 560, mas em um nível ótimo é preciso começar com uma Radeon RX 570 ou uma GTX 1060 de 3 GB. São placas de linha média muito boas. E para rodar jogos em 1440p, bastam as placas Radeon RX 580 e GTX 1060 de 6 GB.

Só precisa mesmo de gráficos top de linha quem vai rodar jogos a 2160p (4K), que só funcionam bem a partir de uma GTX 1070 ou uma Radeon RX Vega 56.

 

4. É preciso ter uma fonte de alimentação de muitos watts

 

 

Outro mito que está bem longe de desaparecer, e está relacionado também a váiras marcas. Na verdade, para montar um computador para games, leve em consideração o consumo de todos os componentes do equipamento, a amperagem necessária, os conectores que você vai utilizar, e a margem de ampliação desejada. Se o consumo é de 300 watts, é recomendável ter uma fonte que entrega 400 watts reais.

Uma regra muito útil para envolver todos os critérios de escolha é usar como referência os watts mínimos recomendados da placa gráfica a ser utilizada, e escolher uma fonte que a supere em 100 watts. Por exemplo, se a placa escolhida é a GTX 1060 de 6 GB que exige uma fonte de 400 watts, escolha uma fonte de 500 watts.

 

5. Montar um PC gaming é caro

 

 

Apesar dos preços das placas gráficas e da RAM estarem inflacionados, os demais componentes contam com preços reduzidos, o que acaba equilibrando a equação. Ou seja, é possível montar um bom PC gaming sem precisar vender um rim para isso. É só você ser uma pessoa dedicada à pesquisa e comparação de preços, e fazer as melhores escolhas de acordo com suas necessidades e possibilidades financeiras.