Compartilhe

As inovações nos dispositivos eletrônicos não são feitas apenas pelas adições de tecnologias. Quando os fabricantes conseguem retirar coisas que podem prejudicar o meio ambiente ou que são inúteis para o tempo presente, eles estão inovando e evoluindo. E foi o que a Apple fez com o iPhone 12 em alguns aspectos.

A Apple conseguiu eliminar cinco componentes em seus novos smartphones que promovem a redução do impacto ambiental na produção dos mesmos. Nesse post, vamos conhecer quais são esses elementos, na esperança em despertar nos usuários menos conscientes a importância de determinadas medidas para garantir um meio ambiente mais sustentável.

 

 

 

Adeus, berílio

 

O berílio é um elemento relativamente escasso na tela, e a maioria das suas formas disponíveis é considerada radioativa. Possui grande estabilidade térmica, alta condutividade térmica, baixa densidade e muita rigidez. Nos dispositivos eletrônicos, é utilizado para endurecer o alumínio, o cobre, o ferro ou o níquel.

 

 

 

Muito melhor sem o mercúrio

 

 

Muito mais popular em nosso mundo, e tradicionalmente utilizado pelos instrumentos de medição de temperatura. Nos últimos anos, começou a ser eliminado dos termômetros, barômetros e outros medidores, por conta de sua capacidade tóxica e cancerígena. É muito útil nos eletrônicos para a proteção de baterias, circuitos elétricos e no uso de lâmpadas fluorescentes, mas também é muito perigoso.

 

 

 

Fique bem longe do arsênico

 

 

O arsênico é um semi-metal muito importante para o correto funcionamento do nosso organismo, mas em quantidades muito baixas. Ele tem vários usos, mas nos dispositivos eletrônicos está presente em um semicondutor chamado arseniuro de gálio, pela sua capacidade de trabalhar em altas frequências e com um consumo energético moderado. Está presente nos chips de comunicações dos smartphones, e também no cristal da tela para ser usado como descolorante no processo de fabricação de vidro.

O grande problema do arsênico é que ele é extremamente tóxico, e uma exposição prolongada pode ter consequências graves para a saúde de qualquer pessoa. Para os usuários, ele não representa ameaças, mas para os profissionais que trabalham nas linhas de produção, ele pode ser fatal.

 

 

 

Você não vai sentir saudades do BFR

 

O BFR (Brominated Flame Retardant) é utilizado para inibir a combustão de alguns objetos. São muito eficientes quando trabalham com telas e elementos de policarbonato, minimizando as chances de dispositivos eletrônicos sofrerem de combustão espontânea ou provocada. Porém, seu impacto negativo na saúde é grande, com toxidade altamente contaminante. Seu uso será limitado ou proibido daqui para frente.

 

 

 

O PVC também levanta dúvidas razoáveis

 

O PVC está presente em muitos objetos de plástico que utilizamos todos os dias. É um material barato e de fácil reciclagem, já que é obtido do petróleo. Não existe um consenso sobre a sua periculosidade, de modo que ele ainda é utilizado em massa. De qualquer forma, algumas organizações ecológicas garantem que este é um composto tóxico para o ser humano, sem falar na sua capacidade cancerígena quando inalado durante os processos industriais necessários para a sua produção. Porém, ainda não há evidências científicas sobre os seus impactos negativos para a saúde.


Compartilhe