Bylock

O nome Bylock pode ser pouco familiar para você, mas na Turquia ele virou sinônimo de pânico, já que pode representar cadeia e exílio injustificado para usuários de smartphones inocentes.

O Bylock foi um aplicativo de mensagens gratuita particularmente popular entre 2014 e 2016 na Turquia. Era uma versão menos sofisticada e mais privada do WhatsApp, onde só era possível conversar com outros membros da rede se você conhecia o seu nome de usuário.

Porém, as autoridades locais determinaram que o aplicativo foi desenvolvido por simpatizantes da Organização Terrorista Gulenista, acusada de se infiltrar no estado truco, tentando derrubar o governo em um golpe de estado em 2016, onde o app era utilizado para a comunicação de seus membros.

O governo turco levantou um alerta de segurança nacional. Cada usuário de smartphone que utilizou esse app foi considerado um terrorista, perdendo todos os seus direitos, posses e empregos. Porém, milhares de pessoas que jamais utilizaram o aplicativo começaram a ser presas.

Até agora, mais de 150 mil cidadãos turcos foram detidos, acusados de utilizar o aplicativo. Porém, mais de 30 mil inocentes que jamais utilizaram o Bylock são oficialmente acusados, sem sequer saber da existência do aplicativo.

 

 

Tudo aconteceu por causa de uma simples linha de código, onde os usuários do aplicativo poderiam infectar seus contatos ao interagir com eles, abrindo uma janela de navegação de um pixel de altura por um pixel de largura.

Essa janela conectava aos servidores do Bylock.net, deixando a brecha para as acusações formais das autoridades. Bastaria receber uma ligação de um usuário do aplicativo, ou se conectar à rede WiFi compartilhada para abrir essa janela invisível, que condena pessoas inocentes.

Seria uma espécie de pegadinha por parte dos seus criadores para ocultar aqueles que realmente eram membros da tal organização terrorista. Mas no processo, muitos inocentes foram detidos.

Felizmente, desde dezembro de 2017, alguns cidadãos foram liberados, quando a tal linha de código foi detectada, comprovando que eles foram culpados por um delito que não cometeram.

Mas fica um incômodo antecedente para a história. E este não é o primeiro de sua categoria.

 

Via CBC