Burger King

A rede de fast food Burger King lançou uma divertida campanha publicitária que mostra o seu apoio à neutralidade da rede, explicando de forma bem simples o quanto o fim dessa neutralidade pode custar ao usuário.

A FCC dos EUA votou a favor do fim da neutralidade da rede graças ao voto dos republicanos e dos interesses de Ajit Pai, presidente da comissão que muitos acusam de ser um infiltrado que atende os interesses das gigantes de telecomunicações do país.

Polêmicas a parte, a neutralidade da rede nos Estados Unidos está por um fio, mas existem iniciativas ao longo de todo o país para tentar impor o senso comum, evitando que esta acabe caindo.

Infelizmente, a própria FCC e Mr. Pai fizeram comentários mentirosos, que levam a crer que a queda da neutralidade da rede seria bom para eles. Uma mentira que a Burger King derrubou com sua última campanha publicitária.

O vídeo “Whopper Neutrality” mostra de forma clara e muito inteligente todos os problemas que o fim da neutralidade podem oferecer, com a genial sacada de adotar a abreviação de Mbps (megabits por segundo) para ‘making burgers per second’ (hambúrgueres feitos por segundo).

O resultado é muito real. Sem a neutralidade da rede, os provedores de serviços poderiam (por exemplo) desacelerar o acesso a determinados conteúdos (no caso do comercial, o Whopper) e oferecer o acesso mais rápido a outros (o sanduíche de frango), apenas e simplesmente porque isso permite que a empresa obtenha mais receitas, e não porque oferece qualquer tipo de benefício para o cliente.

Basicamente o Burger King mostra que o cliente teria que pagar para ter o Whopper mais rápido, pois isso resulta em lucro para a empresa de fast food. A mesma regra vale para a internet norte-americana, que agora pode desacelerar e até bloquear alguns sites, obrigando os internautas a pagarem a mais para ver todo o conteúdo na mesma velocidade.

E tal lógica pode ser adotada pelo mundo todo, incluindo o Brasil, o que pode ser algo muito perigoso e prejudicial para todos. Porém, a luta continua. Muita gente quer a manutenção da neutralidade da rede nos Estados Unidos, e tudo indica que essa vai ser uma guerra que Trump vai perder, mais cedo ou mais tarde.

 

 

 

Via Neowin