Compartilhe

Brave, o navegador web alternativo baseado no Chromium e desenvolvido por Brendan Eich, criador do JavaScript e co-fundador do Firefox, acabou de anunciar os resultados de uma nova implementação do seu bloqueador de anúncios integrado.

O novo ad-blocker do Brave é até 69 vezes mais rápido porque ele passou a utilizar a linguagem Rust no lugar do C++. A mudança veio como consequência das alterações planejadas pelo Google no Chrome, o que significaria o final dos bloqueadores de anúncios como conhecemos.

 

 

Brave quer driblar o Google e as limitações aos ad-blockers

 

 

Para resumir os últimos acontecimentos: no começo de 2019, o Google publicou que o que eles chamam de Manifest V3, um documento onde propõe mudanças específicas de uma API do Chromium que tem funções de bloqueio e que a maioria dos ad-blockers utilizam para bloquear conteúdos, muito além da publicidade em si.

O Google afirma que tomaram a decisão para melhorar a privacidade, segurança e desempenho do navegador. Porém, estudos independentes afirmam que os ad-blockers já eram bem eficientes, e as mudanças pouco ou nada afetam realmente os usuários.

O Brave aproveitou esse argumento e decidiram que, no seu caso, o seu bloqueador pode ser ainda mais rápido, criando um novo algoritmo com um set de regras otimizadas. Ele já pode ser testado nas versões Developer e Nightly do Brave.

As mudanças na API do Chromium não afetam o bloqueador do Brave, uma vez que nele as petições se processam de forma nativa, dentro da pilha de rede do navegador. Porém, isso não impedia que ele pudesse ser melhorado.

Para o usuário, as melhorias provavelmente não serão notadas, mas no fundo o CPU de seu computador se beneficia, uma vez que tem mais tempo para realizar outras funções.

Em resumo: o Brave mostra que exstem outras formas de melhorar o desempenho dos ad-blockers no navegador, sem implementar as restrições propostas pelo Google, e apesar de compartilhar da base do Chromium, ele não pensa em limitar as capacidades dos bloqueadores de anúncios como conhecemos na atualidade.

Se você quer testar o Brave, ele está disponível nas versões Brave Dev ou Brave Nightly para Windows, Linux ou macOS.

 

Via Brave


Compartilhe