Compartilhe

Sua liberdade de expressão não dá o direito de você disseminar discursos de ódio. Simples assim. Por isso, o jogo Bolsomito 2K18 não pode ser vendido ou distribuído pelo Steam, plataforma de jogos da Valve.

Um solicitação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) foi atendida pela Justiça brasileira, que emitiu a ordem de bloqueio do jogo onde Jair Bolsonaro espanca feministas e negros.

Na decisão, Bolsomito 2K18 é definido como um jogo que “promove desvalores como a discriminação racial, bem como a opressão, o preconceito e a violência, inclusive a prática de homicídio e a intolerância”. A suspensão do jogo foi solicitada em 4 de dezembro. Para tentar burlar o banimento, a BS Studios (desenvolvedora do jogo) mudou o seu título para apenas Bolsomito. O pedido foi acatado na última quarta-feira (19).

 

 

Para prosperar em Bolsomito 2K18, o jogador ganha pontos ao espancar e matar mulheres, negros, membros da comunidade LGBT, políticos, integrantes de movimentos sociais e outras minorias. Além de violar o direito de imagem e personalidade do próprio Bolsonaro, ele expõe o Brasil de forma negativa no cenário internacional, além de fomentar o ódio às minorias.

A decisão vai servir de precedente para futuras decisões, reforçando que “a manifestação do pensamento na internet não abrange o discurso de ódio”.

Nota do editor: independente do fato do TargetHD.net ser comandado por um membro de uma das minorias que o jogo Bolsomito 2K18 humilha e menospreza (um negro), o site jamais vai apoiar qualquer tipo de manifestação de ódio às minorias e ao diferente. Lamentamos que as Eleições Presidenciais de 2018 revelaram o que existe de verdadeiro em muitos dos brasileiros: o racismo, a xenofobia, a misoginia, o preconceito e o ódio ao diferente. E isso será difícil de ser apagado. Daqui para frente, vamos olhar para as pessoas e lembrar o que elas decidiram abraçar como “honesto e correto”. E hoje bem sabemos que nem é tão honesto e correto assim o que a maioria decidiu apoiar.

 

Via MPDFT


Compartilhe