Compartilhe

A Apple está lutando para engrenar em 2019. Conseguiu melhorar um pouco as vendas do iPhone após reduzir os preços do dispositivo em alguns mercados pontuais, especialmente na China. Mesmo assim, as coisas não estão funcionando da forma como esperado.

E o mês de fevereiro de 2019 foi desastroso para a Apple. A procura por iPhones na China caiu de forma considerável, e isso aconteceu por causa do aumento na cotação do dólar, o que resultou em uma queda anual de 20% nas vendas de smartphones no país asiático.

A Apple enviou apenas 13.8 milhões de unidades dos seus smartphones naquele país. Este é o valor mais baixo registrado por Cupertino desde 2013. Um dos motivos para essa queda foi a celebração do Ano Novo Chinês, o que resulta em uma maior oferta de dispositivos por lá no mês de janeiro. E o resultado disso é a queda nas vendas em fevereiro.

Os resultados são abaixo do que a Apple esperava. Mas esse cenário também acaba afetando a Xiaomi, que também registrou quedas de vendas no país asiático.

E no mundo, acontece assim: enquanto algumas empresas caem ou ficam estagnadas, outras marcas como Huawei, OPPO e Vivo estão crescendo de forma considerável. E essas marcas oferecem no mercado chinês dispositivos de baixo custo, aproveitando o timing que aponta para um maior volume de vendas entre os telefones de entrada ou modelos Budget, algo que Honor e Oppo conseguem fazer, e com muita competência.

Sim. Eu sei que a Xiaomi é barata e entrega smartphones com excelente relação custo/benefício. Porém, já não consegue oferecer os mesmos valores que os seus rivais, que hoje apostam naquilo que a Xiaomi era muito forte em um passado não muito distante: excelentes especificações, por um preço menor que as demais marcas.

Logo, descobrimos que o usuário não tem poder de compra para comprar um iPhone, nem mesmo o seu modelo mais barato, o ‘Budget’ iPhone XR! Lembrando que modelos top de linha de outros fabricantes conseguem ser bem mais baratos que o iPhone XR. Sem falar que o chinês ainda vê o smartphone da Apple como Premium, mas falha na inovação, e há muito tempo.


Compartilhe