Compartilhe

O recurso de navegação no Google Mapas com realidade aumentada levou quase um ano para entrar em fase Alpha, e alguns usuários começam a testar a funcionalidade que deve ser tornar protagonista no aplicativo.

A ideia é simples, porém, funcional. A navegação com realidade aumentada no Google Mapas vai usar a câmera do smartphone durante a caminhada, mostrando diferentes sinalizações na tela sobre as imagens em tempo real que são capturadas no local.

Não é uma grande novidade no mundo da tecnologia, mas por ser o Google, o seu alcance será maior. Nesse primeiro momento, o recurso até que funciona bem.

O Google chama a funcionalidade de ‘localização global’, onde combina o GPS do smartphone com os serviços de posicionamento visual do Street View e Machine Learning. Quando habilitamos a função, basta apontar a câmera do smartphone, e os pontos de referências são identificados, e assim é possível estabelecer a nossa localização com maior precisão.

Por enquanto, não é possível usar a câmera o tempo todo, já que o aplicativo vai pedir que você coloque a atenção no caminho e guarde o smartphone para evitar acidentes. Pelo visto, o Google quer que o Mapas seja uma ajuda pontual em momentos críticos da navegação apsso a passo (em uma intersecção, virar em uma rua, pegar um ônibus ou usar o metrô, por exemplo).

A interface é clara para evitar confusões, já que veremos flechas grandes com textos enormes que flutuam sobre o mundo real, fazendo contraste perfeito com o fundo. Para acompanhar isso, e com o apoio para todas as sinalizações, veremos na parte inferior do mapa que todos conhecem como o caminho azul marcado, que permite voltar a ver o mapa com a tela completa.

O modo de navegação em realidade aumentada do Google Mapas ainda está em fase Alpha aberta, e poucas pessoas podem provar o software nesse momento. Não há previsão de lançamento da funcionalidade, mas alguns Local Guides poderão testá-lo nos próximos dias, e a versão final será lançada quando a empresa estiver satisfeita com os resultados.

 

 

Via WSJ, Google


Compartilhe