Compartilhe

Quando você pensa que o conflito envolvendo Huawei, Estados Unidos e Google (e vários outros gigantes do mundo da tecnologia) estava se acalmando, vem a China e anuncia que vai retaliar, criando a sua lista negra de empresas não confiáveis. E o mais importante que isso, e que pode definir o futuro da fabricante chinesa: as primeiras imagens do seu futuro sistema operacional, o Ark OS.

 

 

Ark OS, ainda em esboço, mas que já mostra muitas coisas

 

 

O sistema operacional está em desenvolvimento, e tem como objetivo substituir o Android caso a sanção dos Estados Unido se materialize (vale a pena lembrar que, nesse momento, o veto foi suspenso até o dia 19 de agosto de 2019, e uma negociação deve acontecer durante o G20 no mês de junho). De qualquer forma, o software não só existe, como vai tomando forma aos poucos.

De acordo com os veículos internacionais que tiveram acesso a esse material, o nome Ark OS já foi registrado em alguns escritórios de patentes, mas esta é a primeira vez que recebemos alguma imagem que mostra alguma coisa que indica como pode ser a sua estética. Obviamente, não estamos diante de um design final, e esse é apenas um placeholder para ter uma ideia sobre como será o seu design depois para a versão final (que só deve aparecer na versão final, que tem lançamento especulado para 2020), mas já é possível obter pistas bem interessantes sobre o que está por vir.

A informação mais chamativa nas imagens é que a intenção da Huawei é mesmo que todos os aplicativos disponíveis no Android sejam compatíveis com o Ark OS, aliviando os temores de alguns usuários em receber um software que nasceria abandonado de apps populares. Agora, a disponibilidade desses aplicativos tem fonte incerta: ou a loja própria de aplicativos da Huawei (que já existe) ou com uma loja de terceiros, como o Aptoide.

 

 

Por enquanto, a Huawei parece mostrar que se prepara para não mais depender do Google, mas está bem claro que a empresa quer seguir com o Android, de alguma forma. Mesmo que através do seu ‘plano B’.

 

Via TechDator


Compartilhe