Compartilhe

O veto da administração Donald Trump à Huawei resultou em um bloqueio em massa de gigantes norte-americanas do setor de tecnologia aos dispositivos da empresa chinesa. E nesse cenário de caos, algumas perguntas ficaram no ar. Nesse post, vamos responder a essas dúvidas que são pertinentes nesse momento em que todos só falam nisso.

 

 

Meu smartphone Hiawei vai se transformar em um caro peso de papel?

 

Não. O sistema operacional e todos os aplicativos (incluindo os apps do Google) seguem funcionando da mesma forma, como qualquer outro Android do mercado. Você também pode seguir baixando apps através da Play Store.

 

 

Posso seguir atualizando o meu smartphone Huawei?

 

Sim e não. O bloqueio imposto é de caráter imediato para o suporte de todos os dispositivos Huawei, incluindo os que já estão no mercado mobile. Porém, uma coisa são as atualizações do Google no sistema operacional e serviços nativos, e outra são as atualizações mensais de segurança, que a Huawei vai seguir enviando.

 

 

Posso usar a garantia e o suporte técnico da Huawei?

 

Sim, através das atualizações de segurança, pelo serviço de pós-venda aos telefones, tablets e outros dispositivos da Huawei e Honor, tanto para os já vendidos como para aqueles que está em stock nas lojas.

 

 

É possível que esse bloqueio seja anulado e tudo volte ao normal?

 

Sim, mas ninguém pode garantir isso. O que é certo hoje é que o veto está valendo. Olhando para os quase três anos de governo Trump, podemos imaginar que ele pode querer negociar depois de medidas muito duras. É claro que ele pode voltar atrás se ele conseguir algo que lhe interesse (especialmente por parte da China), mas nada está garantido.

 

 

Meu smartphone é de outro fabricante chinês. Eu devo me preocupar?

 

Não, pelo menos por enquanto. O bloqueio em cima da Huawei aconteceu porque essa marca entrou na Entiry List, tal e como aconteceu com a ZTE, o que fez com que todas as suas atividades fossem suspensas. Nesse momento, OnePlus, Oppo, Xiaomi e Vivo não devem passar pelo mesmo, já que as marcas não estão na lista negra de Trump.


Compartilhe