O grande calcanhar de Aquiles do Android está na atualização de software. Muitos telefones não recebem uma mísera atualização, algo que contrasta com as três, quatro ou até cinco updates que alguns felizardos podem receber.

Isso se chama fragmentação. O efeito colateral de ter o mesmo sistema operacional em milhares de dispositivos. O Google tenta remediar isso com o Project Treble, que simplifica os processo de atualização para que os fabricantes possam entregar as atualizações de forma mais rápida.

O cenário atual mostra que alguns fabricantes trabalham melhor com os updates do que outros.

 

 

Nokia no pódio, com Google e Apple

 

Para definir quais são os fabricantes que mais (ou menos) se destacam nas atualizações de software dos dispositivos, foi analisada a quantidade de dispositivos que cada um apresentou nos anos 2016 e 2017, e quantos receberam a atualização para o Android 9.0 Pie ou para o iOS 12 (no caso do iPhone), em um intervalo entre 17 e 41 meses, ou seja, entre um ano e meio e dois anos e meio, que foram atualizados para as versões mais recentes.

Os melhores do ranking são aqueles fabricantes que controlam o software. Google e Apple contam com 100% dos seus dispositivos atualizados para a última versão dos seus sistemas operacionais nesse período. Completa o pódio a nova Nokia, que agora aposta no Android e se posiciona muito bem em termos de atualização (e, em teoria, nas vendas também).

Atrás deles, encontramos um meritório OnePlus, que não faz muito alarde sobre essa qualidade louvável de comportamento de mercado. E com uma distância considerável, encontramos Huawei, Sony, Motorola, Xiaomi e Samsung. Quem fecha a lista é a HTC, que é a que menos atualiza os seus dispositivos.

Na lista daqueles que não atualizaram nenhum dos seus dispositivos para o Android Pie entre 2016 e 2017, encontramos as chineses ZTE, Gionee e Oppo, e outras asiáticas com maior presença de mercado internacional, como LG ou Lenovo.

 

 

Poucos smartphones, muitos smartphones

 

 

Para analisar esses dados, também é preciso levar em consideração o número de dispositivos que foram apresentados por cada fabricante, para entender se existe um padrão entre aqueles que atualizam mais modelos e aqueles que ficam atrás da lista.

Nem todos os fabricantes que lançam poucos dispositivos garantem mais atualizações (são os casos da Razer ou da BlackBerry), mas está provado que nenhum dos fabricantes que apresentam mais modelos contam com um grande índice de atualização: Huawei e Samsung, marcas com maiores catálogos nos últimos dois anos, contam com porcentagens tão relevantes como as da Nokia ou OnePlus, mas com números muito menores.

É provável que, no futuro, o impacto do Project Treble seja mais perceptível, e os fabricantes acabam melhorando os ciclos de atualização de seus dispositivos, entregando maior agilidade nos updates e prolongando a vida útil dos dispositivos.

Mas pelo menos por enquanto, isso é tudo o que temos para hoje.

 

Via Xataka