Compartilhe

O sonho de um único carregador para smartphones está mais próximo de se tornar realidade. O Parlamento Europeu decidiu por longa vantagem (582 votos a favor, 40 contra, 37 abstenções) pelo carregador universal.

A UE deve adotar medidas regulamentares com caráter urgente para reduzir a quantidade de resíduos eletrônicos e facilitar a vida dos consumidores com opções sustentáveis. Dessa forma, a Apple, que protestou contra essa iniciativa, terá que se dobrar a esta exigência em relação à decisão.

 

 

Decisão final chega antes de julho

Os eurodepudatos pedem que a Comissão adote uma legislação, que já foi preparada em 2014, em favor de um carregador único. A decisão final da Comissão Europeia deve ser anunciada antes de julho de 2020.

Antes, solicitavam o micro USB como padrão único para recarga dos dispositivos, mas o cenário atual pede o USB-C, enquanto que a Apple mantém sua posição pelo Lightning, mesmo com os rumores indicando que a empresa poderia dar o salto para o USB-C.

Se aprovada a legislação, os fabricantes terão que adotar um único tipo de porta de recarga para os smartphones. Na resolução aprovada, é indicado que mesmo com a significativa redução do número de conectores (30 em 2009, para “principalmente três” em 2019), o conector universal segue sem existir.

Dessa forma, os legisladores afirmam que o carregador único pode reduzir o lixo eletrônico, que alcançou 12.3 milhões de toneladas métricas em 2016. Também são solicitadas medidas para garantir a interoperabilidade dos diferentes carregadores sem fio, para garantir que os consumidores não sejam obrigados a comprar um novo carregador a cada novo dispositivo que comprar.

A Comissão Europeia se comprometeu a legislar sobre o tema durante o terceiro trimestre de 2020, após a decisão final ser tomada. É possível que a aprovação do carregador universal ainda leve algum tempo para se estabelecer de forma definitiva, mas os passos dados pela UE assentam de uma vez por todas a aparição de um padrão universal para smartphones.

 

 

Via Parlamento Europeu


Compartilhe