Compartilhe

Apple e Samsung tiveram algo em comum em 2018, e eu não estou falando do fim da guerra de patentes ou das parcerias comerciais para fornecimento de componentes. As duas receberam um carimbo de #FAIL nos seus smartphones top de linha. Galaxy S9, iPhone XR, iPhone XS e iPhone XS Max foram mal nas vendas, e os números mostram isso.

Por mais que todos eles sejam smartphones excelentes, é preciso lembrar que, nesse momento, quem já tem um bom smartphone não vai abrir mão dele. Ainda mais quando testemunhamos as duas empresas entregando poucas mudanças nos seus últimos lançamentos, sem grandes evoluções no desempenho, design ou funcionalidades extras.

Apple e Samsung estagnaram na evolução dos seus produtos. Algo até normal se pensamos que tudo nessa vida tem um fim, inclusive a evolução tecnológica.

Aconteceu no mercado de smartphones o mesmo que ocorreu com o mercado de desktops em um passado não muito distante. Hoje, quase todo mundo tem um computador bom o suficiente, e não precisa comprar um novo tão cedo.

No caso dos smartphones, o cenário atual aconteceu por conta de três grandes fatores (que ficam bem evidentes quando olhamos exclusivamente para Apple e Samsung):

1. A redução dos benefícios na hora de trocar por um modelo mais novo.
2. O aumento no preço dos smartphones mais novos.
3. O fato de cada vez mais os usuários ficarem com o mesmo smartphone durante mais de 2 anos.

Sem falar que a inovação alcançou o seu limite. Os novos modelos não contam com funcionalidades que vendem por si. O que tem de tão diferente do Galaxy S8 para o Galaxy S9, ou do iPhone X para um iPhone XS Max?

Sem falar que, antes de 2018, ainda era possível ganhar alguma coisa em troca com o novo dispositivo. Maior velocidade de conexão de rede, câmeras melhores ou baterias mais eficientes. Hoje, nem isso.

Por isso, os consumidores preferem ficar com o seu aparelho antigo por mais algum tempo, uma vez que já conta com todas as funcionalidades extras que necessita para o seu dia a dia.

Já Apple e Samsung querem lucrar mais por cada unidade vendida, para compensar o menor número de unidades comercializadas. A Apple bateu recorde de receitas com o iPhone X, mesmo com vendas abaixo das expectativas. E para isso, criou um novo segmento: a Super Premium, com preços absurdos.

 

 

O que Apple e Samsung podem fazer para reverter o cenário atual?

 

 

Tudo tem um limite. Tanto nas especificações como na paciência do usuário e, principalmente, no dinheiro que ele tem na carteira. Mas a nova geração de redes 5G pode ajudar a renovar o setor. Sem falar no iminente lançamento de smartphones dobráveis, mas entendo que esse formato ainda vai levar um bom tempo para cair no gosto dos usuários.

O mercado de smartphones mudou muito nos últimos anos, e isso é ótimo. A quota de mercado mudou de mãos, e marcas dominantes caem diante de fabricantes até então desconhecidos.

Nokia e BlackBerry foram ultrapassadas por Apple e Samsung, e hoje tentam voltar ao mercado. Ao mesmo tempo, o duopólio estabelecido hoje é seriamente ameaçado por Huawei e Xiaomi. E a competitividade só vai aumentar nos próximos anos, o que é algo excelente.

Por outro lado, o mercado de smartphones está estagnado nesse momento, e quem mais sente isso é quem está na liderança do mercado, ou seja, Apple e Samsung. Tudo o que o usuário queria já está no mercado: smartphones com telas excelentes, ótima conectividade, boa autonomia de bateria, câmeras incríveis e uma experiência de uso bem fluída.

Ficou difícil superar esse cenário atual. E vai ser cada vez mais difícil com o passar do tempo.

E todas terão que se reinventar para convencer o consumidor.


Compartilhe