Aplicativos populares fazem do seu smartphone um grande “Big Brother”, sem avisar você | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Aplicativos populares fazem do seu smartphone um grande “Big Brother”, sem avisar você | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Notícias | Aplicativos populares fazem do seu smartphone um grande “Big Brother”, sem avisar você

Aplicativos populares fazem do seu smartphone um grande “Big Brother”, sem avisar você

Compartilhe

aplicativos

Pesquisadores descobriram dezenas de trackers em centenas de aplicativos populares, que contam com milhões de downloads.

Já nos acostumamos a ver publicidade relacionada com temas que procuramos na web minutos antes. Tal sintoma pode ser minimizado com o uso de ad-blockers e tracker-blockers, ou com o uso do modo privado dos navegadores.

Porém, o uso de tais táticas nos aplicativos é algo preocupante.

Investigadores do Yale Privacy Lab e da Exodus Privacy descobriram que mais de 300 dos aplicativos mais populares das plataformas móveis contam com trackers para espiarem seus usuários. Muitas vezes, são vários trackers em um único aplicativo.

A investigação foi centrada nos apps Android, mas o mesmo acontece com o iOS, uma vez que os serviços de tracking funcionam nas duas plataformas.

O objetivo é o mesmo: obter informações dos usuários para direcionar publicidade. O potencial do abuso da privacidade é incalculável, o que faz com que esses dados se valorizem de forma absurda.

O mais curioso de tudo isso é que os investigadores sequer contam com o direito de investigar os aplicativos do iOS, pois para isso eles teriam que crakear o seu DRM, algo que é considerado ilegal.

Pagamos caro por smartphones que passam o dia nos espionando. Também é hora dos fabricantes começar a pagar para que as pessoas usem os seus equipamentos, e que os estúdios e desenvolvedores começassem a pagar os usuários para que usem os seus apps.

Afinal de contas, viramos um produto para eles, certo?

Logo, nada mais justo do que pedir a minha parte em dinheiro.

 

Via The Intercept


Compartilhe